Principal » História » Absolutismo, o que foi? Surgimento, teóricos do estado absolutista e fim

Absolutismo, o que foi? Surgimento, teóricos do estado absolutista e fim

O Absolutismo foi uma forma de governo praticada na Europa, entre os séculos XVI e XIX. Defendia a centralização do poder na figura do rei.

Absolutismo, o que foi? Surgimento, teóricos do estado absolutista e fim

Durante os séculos XVI e XIX, a Europa viu o absolutismo despontar como novo sistema político. Nele, o poder ficava concentrado pelo rei, que era absoluto em todas as suas decisões sobre o Estado.

Em toda a Idade Média o poder dos reis era limitado, resultado da fragmentação política. Diante disso, a influência do monarca dependia da vassalagem entre reis e nobres, que trocavam favores em garantia do poder real.

Assim, com o absolutismo respaldado pela nobreza e pela burguesia emergente, além de teóricos que difundiam suas ideias pelo território europeu, novos estados viam-se livres para seguir a corrente.

Nesta época, os principais reinos absolutistas foram a Espanha, a França e a Inglaterra. Com o advento dos ideais iluministas e da Revolução Francesa, o absolutismo perdeu força e assistiu ao seu fim.

Surgimento do absolutismo

Ao mesmo tempo em que França, Inglaterra e Espanha e outras nações se estruturaram, bem como o comércio voltava a ser praticado na Europa, a burguesia emergia com grande poder econômico.

Para esta parcela da população, entretanto, o poder fragmentado acabava por atrapalhar seus negócios, uma vez que não havia uma só moeda e os impostos variavam de uma província para outra.

Ensinar História

Por outro lado, a nobreza defendia a concentração do poder na figura do rei, visando garantir o controle das terras que possuía. Dessa forma, o poder concentrado no monarca era um desejo das classes sociais mais abastadas daquela época.

Com o rei no poder, suas principais funções era criar impostos e determinar leis. Cabia também a ele garantir a segurança do reino, acabar com rebeliões e revoltas e impedir ataques em geral. Também impunha uma moeda e idioma único.

Todavia, a economia das nações cresceu e era necessário proteger a produção nacional. Como resultado disso, foram criados impostos alfandegários, que acabavam por taxar produtos que vinham de outros países. A arrecadação do estado aumentou e, como consequência, o rei poderia formar exércitos especializados e permanentes.

Os teóricos do período

Antes de mais nada, os ideais absolutistas contavam com o respaldo intelectual de uma série de pensadores que escreveram sobre o poder absoluto. Dentre eles, é necessário citar os nomes de Nicolau Maquiavel, Thomas Hobbes e, por último, Jacques Bossuet.

Maquiavel defendia o uso da violência como forma de manter o controle sobre a população, sob a justificativa de que os ‘fins justificam os meios’. Para ele, em seu livro O Príncipe, o rei deveria ser, acima de tudo, temido a ser amado pelo seu próprio povo.

Rally Point

Thomas Hobbes, autor de O Leviatã, defendeu que só o poder real colocaria o mundo em ordem. Para ele, antes do poder absoluto do rei, a Europa vivia em um estado permanente de violência e somente o poder absoluto do rei seria capaz de estabelecer a ordem.

Por fim, o teórico Jacques Bossuet escreveu a obra A política retirada da escritura sagrada, em que afirmava que o poder do rei era uma vontade de Deus. Dessa forma, todos aqueles que contestavam a autoridade e o poder real estariam contestando o próprio criador.

O fim do poder absoluto

Por volta do século XIX, o Absolutismo deixou de ser a forma de governo. Seu fim fora acompanhado por uma série de mudanças que aconteciam na Europa, que buscavam descentralizar o poder e dar voz a mais pessoas da sociedade europeia.

História Inteligente

Os ideais iluministas e a Revolução Francesa contribuíram para desfazer essa ideia de que o rei era uma figura divina e, por isso, quase que intocável. Defendendo a racionalização do pensamento humano, o Iluminismo fazia frente ao pensamento dominante de que a vontade divina refletia as escolhas por um rei e, depois, viriam a refletir as escolhas reais.

Por fim, a partir desses acontecimentos, reinos como o de Felipe II, na Espanha; o de Luís XIV (1643-1715) na França e o do inglês Henrique VIII (1509-1547) ruíram diante das novas ideias que vinham se espalhando por todo o continente europeu.

O que achou da matéria? Se gostou, leia também: Revolução Russa, o que foi? História, sistema czarista e governo provisório.

Fontes: Toda Matéria, Brasil Escola, História do Mundo

Imagens: Brainly, Ensinar História, Rally Point, História Inteligente

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.