Língua Portuguesa

Ambiguidade: o que é, uso, classificação e exemplos

A ambiguidade é a escrita com duplo sentido e que deve ser usada com cuidado, pois pode levar à incompreensão do texto redigido.

Continue lendo após a publicidade

Na ambiguidade, a frase tem mais de um sentido, o que pode levar a interpretações duvidosas. Também chamada de anfibologia, não deve ser usada em textos formais, posto que a clareza é comprometida.

A ambiguidade pode aparecer como um vício de linguagem, isso quando é grafada por um descuido qualquer. Ainda assim a empregam bastante nos textos de publicidade, bem como em poesias, para dar expressividade. Se usada intencionalmente, portanto, é considerada uma figura de linguagem.

Na publicidade, a ambiguidade é usada propositalmente para chamar a atenção do possível consumidor. Mas é preciso diferenciá-la da polissemia, que é o significado variado de uma palavra.

Considerações sobre a ambiguidade

Saber usar corretamente a ambiguidade ajuda a legibilidade do texto

Continue lendo após a publicidade

O vocábulo surgiu no termo latino “ambiguitas”, cujo significado é equívoco ou incerteza. Apesar de ter significação dupla, a ambiguidade continua sendo usada na linguagem coloquial ou nos poemas. Também fazem uso dela a literatura regionalista que registra a oralidade, assim como as campanhas publicitárias.

Só que, se for grafada com descuido, gerará um sentido ambíguo que compromete a compreensão da frase. Já quando emprega-se por querer, torna-se uma figura de linguagem das mais expressivas.

A ambiguidade lexical e a estrutural

A ambiguidade é lexical se vem do significado das palavras. Exemplo: Estava próximo ao banco – é banco de jardim ou a empresa?

A ambiguidade é estrutural se vem da posição da palavra na frase. Exemplo: Ana foi atrás do trem correndo – quem estava correndo, o trem ou Ana? Para tirar a dúvida escreve-se: Ana foi correndo atrás do trem.

Continue lendo após a publicidade

Saber usar corretamente a ambiguidade ajuda a legibilidade do texto

Há ainda algumas previsões que podem ser feitas com frases ambíguas. O uso dos pronomes possessivos: A professora de Ana findou a aula escrevendo em seu livro – no livro de quem?

Para não haver ambiguidade, teria que ser: A professora de Ana findou a aula escrevendo no seu próprio livro.

A forma da disposição das palavras também conta, como quando se diz: Os jovens alegres foram à sorveteria – eles são alegres ou o estão por que foram à sorveteria? Corrigindo a frase: Alegres, os jovem foram à sorveteria.

Continue lendo após a publicidade

Podemos citar também as formas nominais: Auxiliei o jovem cansado no fim da maratona – era o jovem ou eu cansado? Corrigindo a frase: Cansado, auxiliei o jovem no fim da maratona.

Pode haver ambiguidade igualmente no uso da conjunção integrante e do pronome relativo: Contei para ao João que estava pálido – quem estava pálido, eu ou o João? Então, para tirar dúvida: Pálido, contei para o João.

O emprego da anfibologia na publicidade

Saber usar corretamente a ambiguidade ajuda a legibilidade do texto

Os anúncios publicitários usam de propósito a ambiguidade, posto que isso atraia a atenção do consumidor. Se lemos uma frase objetiva num outdoor, não lhe damos maior atenção. Agora, se há um duplo sentido velado, não podemos nos esquivar de continuar pensando nela.

Continue lendo após a publicidade

O comercial de uma rede de lojas veiculou o seguinte anúncio: “Móveis por esses preços não vão durar nada”. Daí a dúvida: os móveis não vão durar porque estão baratos e acabarão ou porque são de qualidade ruim? O anúncio atingiu sua finalidade, pois chamou a atenção usando a ambiguidade.

O múltiplo sentido das palavras

Ademais, há diferença entre a ambiguidade e a polissemia. Só para ilustrar, a polissemia pode ser conceituada como a variedade de significados de uma palavra.

Por exemplo, a palavra “pata” tanto pode significar a ave, bem como a mão de um animal. A palavra “pé” pode ser a parte do corpo humano, assim como o pé de uma cadeira.

E então, o que achou dessa matéria? Leia também sobre a conotação, o que é, como é usada na gramática e exemplos práticos.

Continue lendo após a publicidade

Fonte: Significados, Figura de Linguagem, Stoodi, Toda Matéria, Dicio, Dicionário Informal, Info Escola, Português, Escola Kids, Mundo Educação.

Bibliografia:

  • FERNANDES, Márcia. Ambiguidade. [20–]. Disponível em: https://www.todamateria.com.br/ambiguidade/. Acesso em: 20 maio 2019.
  • SANTIAGO, Emerson. Ambiguidade. [20–]. Disponível em: https://www.infoescola.com/portugues/ambiguidade/. Acesso em: 20 maio 2020.
  • DUARTE, Vânia Maria do Nascimento. Casos de ambiguidade. [20–]. Disponível em: https://mundoeducacao.uol.com.br/redacao/casos-ambiguidade.htm. Acesso em: 20 maio 2019.

Fonte das imagens: Elemento, Youtube, Carla Michelle, Carla Michelle,

Continue lendo após a publicidade
Próxima página »

Comentários

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments