Filosofia

Cinismo: origem, filósofos, características e resumo

O cinismo é uma corrente filosófica. Os filósofos cínicos desprezam os pactos sociais e defendem o desprendimento dos bens materiais. E aí, você acha que conseguiria viver como cínico?

Continue lendo após a publicidade

O cinismo é uma corrente filosófica. Os filósofos cínicos desprezam os pactos sociais e defendem o desprendimento dos bens materiais. E aí, você acha que conseguiria viver como cínico?

O que é cinismo?

O cinismo é uma corrente filosófica. Sendo que ela prega o desprezo pelos bens materiais e o prazer. O termo cinismo vem do grego kynismós. Em português é “como um cão”.

O termo reflete o modo de vida das pessoas adeptas dessa filosofia. De fato, eles viviam de forma semelhante aos animais em muitos aspectos. Por exemplo, eles viviam na rua, comiam com as mãos e não tinha higiene.

No entanto, a origem do termo cinismo não é consenso entre os pesquisadores.

Continue lendo após a publicidade

Para os cínicos, a filosofia moral não pode estar separada do modo de vida dos filósofos. Sendo assim, eles deveriam ser exemplos do que defendiam.

Dessa forma, os filósofos cínicos usam um manto dobrado como vestimenta, um bastão para ajudar nas caminhas e ainda também uma sacola para levarem algum donativo.

Não é atoa que o significa de cínico é dado às pessoas que não têm apego às convenções sociais e se sentem superiores por isso.

Origem do cinismo

Foi com Antístenes, seguidor de Sócrates, que a corrente filosófica do cinismo teve origem.

Continue lendo após a publicidade

Em resumo, por meio dos ensinamentos de Sócrates, Antístenes concluiu que a virtude é o que fundamenta a existência humana e não os prazeres.

Desse modo, ele dedicou a sua vida à missão de mostrar que o valor da vida não pode ser medido por meio de propriedades.

Ao invés disso, ela é medida pelo desenvolvimento pleno da sua humanidade. De acordo com Antístenes, a busca pelo prazer afasta as pessoas da verdadeira felicidade.

Na verdade, Sócrates já defendia um pensamento parecido. Sendo assim, ele acreditava que as pessoas dependiam de muitos bens materiais. Ele defendia que a verdadeira felicidade não precisava disso.

Continue lendo após a publicidade

Isso porque, ela estaria ligada aos estados da alma e não aos bens materiais. Essa ideia então foi desenvolvida por Antístenes, que inaugurou o pensamento cínico como a busca entre a coerência entre o pensamento e a ação.

É por isso que existiria a necessidade de uma vida sem bens. Sendo que depois de Antístenes, veio Diógenes, o mais famoso filósofo cínico.

De acordo com histórias antigas, Diógenes se encontrou com Antístenes quando chegou a Atenas. Porém, Antístenes não queria um discípulo. Contudo, Diógenes acabou por convencê-lo do contrário. 

Filósofos cínicos

Alguns filósofos cínicos foram:

Continue lendo após a publicidade

1- Antístenes (445 – 365 a.C.)

Como eu já te contei, Antístenes foi o criador do pensamento cínico. Desse modo, as suas obras tinham como tema central:

  • Ética;
  • Natureza;
  • Lógica.

Vale destacar que, diferente de outras escolas da filosofia grega, os cínicos não tinham um local onde os mestres e discípulos transmitiam conhecimento.

Isso porque, o cinismo tem como base a imitação de uns pelos outros e pela adesão ao estilo de vida cínico. Logo, não existiam textos ou estrutura organizacional que os definisse como uma escola de pensamento.

2- Diógenes (412 – 323 a.C.)

Diógenes de Sinope foi discípulo de Antístenes. Sendo que ele foi o mais conhecido entre os cínicos.

Continue lendo após a publicidade

De fato, o seu modo de vida era admirado por várias pessoas, até mesmo pelo Imperador Alexandre, o Grande.

Diógenes viveu uma vida de total negação de bens. Sendo assim, ele sobrevivia por meio de alimentos doados.

3- Crates de Tebas (365 – 285 a.C.)

Crates foi discípulo de Diógenes. Ele tinha uma deficiência física e, por isso, mancava de uma perna. Crates nasceu em uma família rica, mas abdicou dos seus bens para ser adepto do cinismo. 

4- Hipárquia de Maroneia (350 – 310 a.C.)

Hipárquia é a única filósofa cínica do período, que se tem conhecimento. Ela sofreu muito com o preconceito do povo grego. Isso porque, eles achavam que a vida cínica não era aceitável para uma mulher.

Continue lendo após a publicidade

5- Metrocles de Maroneia (sec. IV – sec. III a.C.)

Metrocles era o irmão de Hipérquia. Foi ele quem adotou uma atividade que se tornou comum entre os filósofos cínicos. Essa atividade eram as anedotas sobre a vida de Diógenes.

6- Mônimo de Siracusa (sec. IC a.C.)

Por fim, temos Mônimo, um filósofo que foi escravo de um cambista grego.

Ao conhecer Diógenes e a sua filosofia, Mônimo fingiu-se de louco e jogou as moedas do cambista pelas ruas. Com isso, ele foi dispensado. Desse modo, ele passou a seguir Diógenes e a viver uma vida cínica.

Legado do cinismo

O modo de pensar dos cínicos influenciou as pessoas no início do Império Romano. Dessa forma, muitas pessoas tentaram viver como Diógenes.

Continue lendo após a publicidade

Dentre os cínicos dessa época, podemos citar Demétrio, que era próximo de Sêneca. De maneira geral, a forma de pensar dos cínicos provocou muitas críticas. Na Grécia antiga, essas críticas eram feitas sobretudo para Diógenes.

Mas com a chegada do cinismo nas cidades do Império Romano, diziam que a imitação do cinismo não estava de acordo com as bases que deram origem ao movimento.

E aí, gostou de aprender sobre o cinismo? Então aproveite para ler também: o que é ética; o que é édipo rei; arte grega; o que é ciência; o que foi a guerra de troia; e, por fim, Jean-Paul Sartre – Biografia, ideias e principais obras.

Continue lendo após a publicidade
Próxima página »

Comentários

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments