Biologia

Classificação dos seres vivos, o que é? Origem, grupos e taxonomia

Os animais e plantas podem ter nomes diferentes em cada região, mas a classificação dos seres vivos determina uma nomenclatura científica internacional.

Continue lendo após a publicidade

A classificação dos seres vivos foi criada para relacionar características e avaliar a biodiversidade do planeta. A partir disso, podemos entender o processo de evolução e adaptação de cada ambiente e seus organismos. Isto por meio das ideias evolutivas darwinianas, estas que são praticadas no ramo da Biologia com regras unificadas.

Nesse sentido, a taxonomia organiza as plantas e animais em categorias, características ecológicas e fisiológicas. Assim, todo o conjunto de pesquisa da classificação dos seres vivos recebe o nome de sistemática. Isto é, a ciência que estuda os organismos por meio da coleta, preservação e análise de espécies.

Por isso, mesmo que um animal ou planta sejam conhecidos por nomes diferentes em cada região, a nomenclatura científica é que vale internacionalmente. A saber, todos esses nomes devem ser escritos em latim e destacados em itálico ou grifados. Por exemplo: o nome científico do cão é Canis familiaris.

Classificação dos seres vivos

Tudo começou quando Aristóteles criou o primeiro sistema de classificação dos seres vivos no século IV, antes de Cristo. O filósofo grego ordenou os animais pelo tipo de reprodução e pelo sangue vermelho. Na mesma época, o aprendiz Teofrasto classificou as plantas pelo uso e forma de cultivo.

Continue lendo após a publicidade
Classificação dos seres vivos
Nova Escola

Por conseguinte, o atual sistema de categorias foi definido nos séculos XVII e XVIII por botânicos e zoólogos. No entanto, ainda eram baseadas em características superficiais. Ao passo que, o naturalista sueco Lineu criou a extensão de categorização em 1758, esta que faz parte da hierarquia atual.

Quando a teoria da evolução passou a ser considerada na Biologia, as ideias de Darwin impulsionaram as evidências ancestrais dos primeiros estágios de vida. Assim, a fisiologia e a genética tornaram-se importantes na classificação dos seres vivos.

Por outro lado, Edward Osborne Wilson, professor aposentado da Universidade de Harvard, criou em 2005 uma base de dados das espécies vivas. Dessa forma, a sistemática descritiva ajuda a conter doenças emergentes, visto que metade das espécies do planeta são parasitas, além da maioria ser ainda desconhecida.

Por isso, a classificação dos seres vivos é agrupada em gêneros, formando uma família. Ao passo que, são separadas em ordem, classe e filos. Por último, os filos devem se encaixar em algum dos cinco reinos, sendo eles: Monera, Protista, Fungi, Plantae e Animalia.

Continue lendo após a publicidade

No entanto, é necessário seguir a sistemática biológica para chegar na classificação dos seres vivos:  Reino ⇒ Filo ⇒ Classe ⇒ Ordem ⇒ Família ⇒ Gênero ⇒ Espécie. Portanto, ao seguir uma classificação não necessariamente evolutiva, emprega-se grupos didáticos em obtenção de alimentos.

Autótrofos

Os seres vivos autótrofos são aqueles que absorvem o próprio alimento das moléculas de energia do processo anabólico.

Nesse sentido, eles podem ser classificados como Fotossintetizantes ou Quimiossintetizante. O primeiro utiliza energia luminosa para produzir matéria orgânica pela fotossíntese. Já o segundo, utiliza compostos químicos para produzir matéria orgânica pela quimiossíntese.

autótrofos
Planeta Biologia

Heterótrofos

Os heterótrofos se alimentam de outros seres vivos ou da matéria orgânica produzida pelos autótrofos.

Continue lendo após a publicidade

Dessa forma, são considerados herbívoros ou carnívoros. O primeiro se alimenta de plantas e vegetais. Já o segundo, se alimenta de outros seres pela caça ou restos de animais, como fungos e bactérias decompositoras.

Heterótrofos
Mega Curioso

Os seres vivos fazem parte de uma cadeia alimentar dentro do ecossistema, como também são classificados pelo nível trófico. Isto porque o hábito alimentar e as relações ecológicas de predação ajudam a identificar em quais grupos tais seres vivos pertencem.

  • Produtores: são os autótrofos que produzem o próprio alimento;
  • Consumidores primários: os herbívoros se alimentam dos produtores;
  • Secundários: carnívoros que se alimentam dos produtores primários.
  • Terciários: carnívoros que se alimentam dos produtores secundários.
  • Decompositores: são aqueles que se alimentam de restos e carcaças de outros seres vivos, geralmente são produtores ou consumidores.

A classificação dos seres vivos foi criada para identificar, descrever, nomear e catalogar as espécies. Por isso, a taxonomia é uma importante área da Biologia que estuda a biodiversidade por meio do sistema de classificação.

Isto permite que os seres vivos sejam agrupados dentro de uma hierarquia, determinando subgrupos e categorias taxonômicas. Ademais, é possível investigar o parentesco entre espécies atuais e antepassadas, utilizando a genética e a biologia molecular.

Continue lendo após a publicidade

Por fim, o que achou dessa matéria? Se gostou, confira também: Seres vivos, o que são? Definição, características gerais e exemplos

Fontes: Quero Bolsa, Só Biologia e Toda Matéria

Imagens: Koha, Nova Escola, Planeta Biologia e Mega Curioso

Continue lendo após a publicidade
Próxima página »

Comentários

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments