Principal » Língua Portuguesa » Conto, o que é? Características, estrutura e exemplo

Conto, o que é? Características, estrutura e exemplo

O conto é uma narrativa literária que se caracteriza pelo tamanho reduzido e a presença de um único conflito, clímax, e poucos personagens personagens.

Conto: O que é, estrutura básica, tipos de contos e exemplos

O conto é uma narrativa literária de tamanho curto, com o foco em certo acontecimento. Além disso, são histórias que geralmente possuem um único enredo e buscam causar um sentimento único no leitor.

Estrutura do conto

O conto é estruturado com base na narração. Ou seja, é necessária uma introdução, desenvolvimento e conclusão da história.

Dessa forma, o conto contém a presença de personagens, de um narrador, do tempo, espaço, enredo e conflito. Enfim, entenda mais sobre cada uma das partes que fazem parte da estrutura de um conto:

1- Personagens

Em síntese, os personagens são os seres narrados no desenrolar da história e que sofrem ou executam ações.

Dessa forma, os personagens podem ser criados com seres animados, como pessoas e animais, ou inanimados, dando vida a objetos e plantas.

2- Tempo

Em resumo, o tempo pode ser caracterizado de duas formas: época em que a história ocorre (ano) e o tempo de duração da narrativa (mês / dia).

Sendo que o tempo pode ter 3 níveis: tempo cronológico, psicológico e técnica de flashback. Em resumo, o tempo cronológico é o tempo que transcorre de maneira linear em relação aos fatos, do início para o fim.

Já o tempo psicológico não é linear. Isso porque ele é o tempo que ocorre com base na imaginação do narrador ou personagem.

Por fim, a técnica de flashback consiste em voltar no tempo em relação ao que está sendo narrado. Existe, ainda, a técnica do flashfoward: quando o tempo avança.

3- Espaço

Em suma, o espaço se refere ao lugar em que os personagens sofrem e executam as ações dentro do enredo. Ou seja, pode ser uma casa, rua, parque etc. Porém, por ter a característica de uma narrativa curta, o espaço é reduzido.

4- Enredo

Diferente dos romances, os contos costumam focar em um único enredo que não se desdobra em tramas menores. De fato, muitas vezes a história gira em torno de apenas uma situação.

Inclusive, um dos motivos pelos quais os contos são mais simples e não exigem grandes interpretações, é por causa do enredo único.

Além disso, a história costuma ser de curta duração e busca causar um sentimento único no leitor ou, apenas contar uma história.

5- Conflito

O conflito dentro do conto é identificado como o momento de maior intensidade entre os personagens da narrativa. Sendo assim, por ser um gênero de curta duração, o conflito é único.

Vale destacar que o final costuma ser súbito, logo depois do clímax.

Da mesma forma, os contos não costumam dedicar muito tempo na introdução do ambiente e dos personagens. Ao invés disso, a história se inicia perto do clímax e do desfecho.

6- Narrador

O narrador define-se como aquele (a) que conta os acontecimentos. Dessa forma, existem três tipos:

1- Narrador em 1ª pessoa

Trata-se daquele (a) que, além de narrar a história, também participa dela colocando os verbos em 1ª pessoa. Assim, também é chamado de narrador personagem.

2- Narrador observador

É o tipo de narrador que não participa do que está acontecendo na trama, apenas relata os fatos desconhecendo o passado e futuro dos personagens. Logo, os verbos utilizados são na 3ª pessoa.

3- Narrador onisciente

Esse tipo de narrador também não aparece no decorrer da história, porém, é de seu conhecimento o passado e o futuro dos personagens.

Tipos de conto

Os tipos de contos mais comuns são:

1- Conto fantástico

No conto do tipo fantástico, as ações realizadas dentro da narrativa são consideradas irreais. Ou seja, são ações que fogem da realidade, sobrenaturais. Dessa forma, apresentam situações que não podem ser explicadas.

2- Conto de fadas

Os contos de fadas são narrativas que têm personagens antigos, medievais ou folclóricos como fadas e gnomos. Logo, são nesses tipos de contos que o final da história apresenta uma moral, ou seja, um ensinamento.

3- Conto de ficção científica

Esse tipo de conto é caracterizado por ter elementos que não fazem parte de uma realidade comum. Desse modo, o seu enredo é construído com base em percepções científicas e tecnológicas.

4- Conto infantil juvenil

Por fim, o conto infantil juvenil é uma narrativa voltada para crianças e adolescentes. Dessa forma, o conto tem uma linguagem mais simples e elementos que fazem parte do mundo do seu público-alvo.

Microconto

Além do conto tradicional, com características específicas, existe também a subcategoria de microconto. Nele, é possível que as características do conto apareçam em apenas uma ou duas frases. Exemplos disso são:

  • Vende-se sapatinhos de bebê nunca usados;
  • Uma gaiola saiu à procura de um pássaro.

Dessa forma, as narrativas classificam-se como microconto e possuem um único conflito. Porém, apesar de breves, não deixam de contar uma história completa.

Conto versus crônica

Como o conto e a crônica são modelos literários bem parecidos, é muito fácil confundir os dois. Os dois tipos são textos curtos, com estruturas específicas e escritos em prosa e sem gênero.

No entanto, os dois se diferem no teor do texto. Isso porque o conto tem como objetivo contar uma história curta, fictícia ou não.

Por outro lado, as crônicas transmitem uma reflexão crítica ou um ensinamento aplicável no cotidiano.

Sendo que, para atingir o seu objetivo, a crônica pode assumir a forma de uma história linear ou ainda de um conjunto de ideias não conectadas por um enredo.

Exemplo

Um exemplo de conto é:

A rosa e o sapo

“A rosa se emocionava quando a elogiavam. No entanto, ela queria que a vissem mais de perto; não entendia por que todos a observavam à distância.

Um dia ela percebeu que a seus pés sempre estava um enorme sapo escuro. Ele não tinha nada de bonito, com sua cor opaca e suas manchas feias.

Além disso, seus olhos eram bem esbugalhados, assustando a todos. A rosa entendeu que as pessoas não se aproximavam por causa desse animal.

Imediatamente, ela ordenou que o sapo fosse embora. Ele não percebia que dava a ela uma imagem negativa? O sapo, muito humilde e obediente, aceitou prontamente. Ele não queria incomodá-la e então foi embora.

Alguns dias depois, a rosa começou a se deteriorar. Suas folhas e pétalas começaram a cair. Ninguém queria mais olhar para ela. Perto dela passava um lagarto que a viu chorando.

Ele perguntou o que estava errado e ela respondeu que as formigas a estavam matando. Então o lagarto disse o que a rosa já sabia: “Era o sapo que comia as formigas e mantinha a sua beleza“.

Contos famosos na literatura brasileira

Alguns exemplos de contos famosos na literatura brasileira são:

  • A Cartomante, de Machado de Assis
  • O Gato Vaidoso, de Monteiro Lobato
  • Presépio, de Carlos Drummond de Andrade
  • Feliz Aniversário, de Clarice Lispector
  • A Caçada, de Lygia Fagundes Telles
  • Conto de Verão n.º 2: Bandeira Branca, de Luis Fernando Verissimo
  • O Vampiro de Curitiba, de Dalton Trevisan

Curiosidades

Algumas curiosidades que você pode gostar de conferir são:

1- Repetição

Na década de 1950, o folclorista russo, Vladimir I. Propp estudou cem contos de magia.

Apesar de não haver uma pretensão inicial, foi notado um detalhe que intrigou os pesquisadores: a ocorrência dos mesmos esquemas narrativos em povos que dificilmente poderiam ter mantido contato entre si.

2- Divisão

Enquanto o conto maravilhoso envolve seres (fadas, vampiros e homens invisíveis), objetos (varinhas mágicas, poções, máquinas de viagem no tempo) e acontecimentos (metamorfoses e viagens extraordinárias), o gênero fantástico é a linha divisória entre o maravilhoso e o estranho.

Enfim, gostou de aprender o que é um conto? Então, aproveite

Fontes: Brasil Escola, A mente é maravilhosa, Toda Matéria, Português, Escola Kids e Significados.

Bibliografia:

  • PIGLIA, Ricardo. O LABORATORIO DO ESCRITOR. [S.L.]: Iluminuras, 1994.
  • PROPP, Vladimir I.. Morfologia do Conto Maravilhoso. 2. ed. [S.L.]: Forense Universitária, 2006. 288 p.
  •  VOLOBUEF, Karin. Um estudo do conto de fadas. Revista de Letras, São Paulo, v. 33, p. 99-114, 1993.
  • 3 contos curtos para refletir. A mente é maravilhosa.

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.