História

Egito Antigo: história, sociedade egípcia e aspectos econômicos

Egito Antigo foi uma região localizada no Nordeste da África responsável por abrigar uma das mais antigas e importantes civilizações.

Continue lendo após a publicidade

O Egito Antigo foi responsável por abrigar uma das mais antigas e importantes civilizações que já existiram. Dividia-se em Baixo Egito e Alto Egito de acordo com os monos, comunidades que integravam a região. Além disso, o Egito Antigo caracterizava-se por possuir duas regiões bem demarcadas: o deserto e a região às margens do rio Nilo.

O Egito Antigo ficava localizado no Nordeste da África e muitos povos que habitavam essa região vinham das misturas de vários outros povos. Nesse sentido, a organização social era feita pela divisão em grupos. Por sua vez, cada grupo era separado em comunidades (monos), que formavam pequenos Estados independentes.

Os egípcios que viviam neste tempo eram conhecidos pela prática do politeísmo. Assim, no Egito Antigo se cultuava vários deuses, como o deus do Sol (Rá), e o dos vivos (Hórus), dentre vários outros.

Civilização do Egito Antigo

A civilização do Egito Antigo era marcada pela sofisticação e, assim como todos os povos antigos, os egípcios se destacavam como ótimos astrônomos. A partir dessa habilidade, os egípcios dividiram o calendário em 365 dias, observando a trajetória do sol.

Continue lendo após a publicidade

Na medicina, os egípcios foram responsáveis pela criação de tratados que definiam a cura das doenças, cirurgias e a descrição do funcionamento dos órgãos do corpo humano. Na civilização egípcia já existiam médicos especialistas e ajudantes, o equivalente aos enfermeiros.

A escrita egípcia se desenvolveu pelos hieroglifos, que consistiam em figuras de animais, partes do corpo e mesmo objetos do cotidiano geralmente usados como instrumentos de registro da história, como os textos religiosos e aspectos econômicos do reino, por exemplo.

A sociedade do Egito Antigo

A figura do faraó regia a sociedade egípcia. O escolhido era, de certa forma, visto como divindade pela população. Junto à ele havia a figura dos familiares, tão importantes como o próprio faraó. Por conta disso, a sociedade do Egito era considerada uma monarquia teocrática na qual o faraó detinha todas as decisões do povo.

Egito Antigo: História, sociedade egípcia e aspectos econômicos
Composição social no Egito Antigo. Fonte: Batata Mitológica

Além do faraó e dos integrantes de sua família, a sociedade era composta por mais duas classes sociais. Assim, existiam as camadas privilegiadas, formadas pelos sacerdotes, nobres e funcionários. Por outro lado, também havia as camadas não privilegiadas compostas pelos artesãos, camponeses, escravos e soldados.

Continue lendo após a publicidade

Dessa forma, os sacerdotes representavam, junto aos nobres, a corte real do faraó. Além disso, a elite militar e os latifundiários constituíam a nobreza. Logo, eram pessoas que vinha de uma linhagem hereditária dentro da sociedade.

Por outro lado, havia os funcionários responsáveis pela economia do Estado, além dos artesão que eram encarregados de diversas tarefas na sociedade. Em seguida, na parte mais baixa da pirâmide social estavam os camponeses, grande maioridade da sociedade egípcia.

Os camponeses eram compostos por agricultores e pagavam, por exigência do Estado, altos valores tributários. Além deles, também existiam os soldados que se encontravam na parte baixa da pirâmide porque eram, em sua maioria, estrangeiros contratados pelo Estado para trabalharem.

Rosto de Menés, primeiro faraó do Egito Antigo, esculpido em um sarcófago. Fonte: Redação customizada

Muito diferente do que as mulheres enfrentam na atualidade, no Egito Antigo elas possuíam autonomia de forma igual em relação ao homem. Assim, podiam exercer qualquer cargo tanto na política, economia ou na própria sociedade da mesma maneira que um homem faria.

Continue lendo após a publicidade

Características dos egípcios

No Egito Antigo existia uma técnica praticada com as pessoas que faleciam, era a chamada mumificação. A técnica consistia em tirar totalmente as vísceras da pessoa falecida e mergulhar o corpo em uma mistura de água e bicarbonato de sódio, ou sal de cozinha, como preferir.

Egito Antigo: História, sociedade egípcia e aspectos econômicos
Exemplo de um corpo mumificado. Fonte: Arqueologia Egípcia

A prática era feita porque os egípcios acreditavam que, após a alma sair do corpo, ela voltava ao seu destino de moradia. Assim, acreditavam que existia um julgamento feito para os mortos, chamado de Osíris, e que, após a alma ter sido absolvida, ela retornaria ao corpo de origem no túmulo.

Sarcófagos encontrados por pesquisadores. Fonte: Farol da Bahia

Dessa forma, os corpos eram revestidos por uma faixa de pano que impediam que o ar tivesse contato com a pessoa morta. Além disso, o pano era fixado com uma espécie de cola especial.

Em seguida, os corpos eram depositados em sarcófagos –  espécie de caixão feito de pedra – e colocados dentro dos túmulos. Os túmulos geralmente eram feitos dentro das pirâmides e os maiores lugares eram reservados aos faraós.

Continue lendo após a publicidade

A arquitetura e economia dos egípcios

Uma das características mais marcante da sociedade egípcia era a arquitetura. Isso porque, diversos templos grandiosos foram construídos. Além de serem ligados à religião, os templos e pirâmides serviam aos faraós como túmulos após a morte. Dentre os mais famosos estavam os templos de Karnac, Luxor e Abu-Simbel e as Pirâmides de Gizé.

Além das grandes construções monumentais vale destacar as obras de pequeno porte. Dentre elas estava a construção dos sarcófagos, os caixões construídos para os morte e que, muitas vezes, levavam como detalhe o rosto do falecido. A técnica, segundo os egípcios, era para que a alma encontrasse o corpo com mais facilidade.

Egito Antigo: História, sociedade egípcia e aspectos econômicos
Pirâmides construídas no Egito Antigo. Fonte: Mosqueteiras Literárias

Em relação à economia os egípcios eram sustentados pela agricultura. Assim, dentre os principais produtos cultivados estava o trigo, a cevada, frutas, legumes, linho, papiro e algodão. Grande parte da produção agrícola era feita às margens do rio Nilo. Isso porque, a alta irrigação tornava a terra fértil. Além disso, o rio era utilizado para outras atividades como a pesca.

Os camponeses eram os responsáveis pela agricultura na sociedade egípcia. Para que obtivessem o direito de plantar e cultivar alimentos, eles necessitavam pagar impostos ao faraó. Isso porque, dentro da sociedade do Egito Antigo, não existia propriedade privada. Assim, as terras pertenciam à todos.

Continue lendo após a publicidade

Curiosidades sobre o Egito Antigo

  • A presença do rio Nilo era fundamental para que a sociedade egípcia pudesse se desenvolver. Principalmente em relação à agricultura;
  • A agricultura na sociedade egípcia foi responsável pelo desenvolvimento econômico do Egito Antigo;
  • O figura do faraó era vista como divindade pela sociedade;
  • Os egípcios acreditavam em vida após a morte;
  • A escrita heliográfica foi desenvolvida pelos antigos egípcios;
  • O Egito Antigo contava com um departamento de construção real, responsável por todas as obras importantes do país. Só para ilustrar, podemos citar as Pirâmides de Gizé e de Sakkara;
  • Os deuses da mitologia egípcia eram caracterizados por serem metade humanos e metade animais sagrados;
  • Povos de língua semítica, como sumérios, acádios e egípcios, percebiam o espaço antes do tempo, o que dificultou a criação de uma cronologia com base nos documentos deixados;
  • Sendo assim, as fases da história egípcia dividem-se em: pré-dinástica, época faraônica e período greco-romano.

E então, o que achou da matéria? Se gostou, não perde tempo e corre pra conferir outros temas aqui no site como, por exemplo, o que representou o Republicanismo e quem eram os Tupinambás.

Fontes: Toda Matéria, Brasil Escola, Incrível História, COC, BBC, Educa Mais Brasil.

Bibliografia:

  • WINKLER, Andreas. Como a economia do Egito Antigo permitiu a construção das caras pirâmides. 2021. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-54778355.
  • COELHO, Liliane Cristina; SANTOS, Moacir Elias. A ESCRITA DA HISTÓRIA DO EGITO ANTIGO. Nearco: Revista Eletrônica de Antiguidade, Rio de Janeiro, n. 1, p. 260-284, abr. 2014. Disponível em: http://www.neauerj.com/nearco-antiga/arquivos/numero13/16.pdf
  • DESPLANCQUES, Sophie. Egito Antigo. [S.L.]: L&Pm Pocket, 2009. 128 p. (Encyclopaedia). Tradução de Paulo Neves.

Fonte imagem destaque: Ema Klabin

Continue lendo após a publicidade
Próxima página »

Comentários

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments