Estrofe: o que é, classificação, métrica e estrutura do poema

Estrofe é um conjunto de versos em que uma linha vem antes e depois do grupo de verso. Assim, separa as outras partes demarcando sua unidade.

A princípio, estrofe é um conjunto de versos em que uma linha vem antes e depois do grupo de verso. Neste sentido, separa das demais partes do poema e demarca a estrofe como unidade. Porém, existem estrofes de diferentes tamanhos dentro dos tipos de poesias. Portanto, podem existir estrofes de um só verso, de dois de três ou mais.

Assim, o número de versos contido nas estrofes definem seus nomes que são classificados em: monóstico, dístico, terceto, quadra ou quarteto, quinteto ou quintilha, sexteto ou sextilha, bem como sétima ou septilha, oitava, novena ou nona e décima. Contudo, nos períodos que precedem o modernismo, existiam estrofes que eram mais utilizadas que outras.

Dessa forma, as estrofes que predominavam eram os tercetos, quartetos, as quintilhas, as sextilhas, as oitavas e as décimas. Porém, após a liberdade rítmica instituída pelo modernismo, as estrofes se apresentaram com todo tipo de quantidade de verso. No entanto, as estrofes podem se apresentar em três tipos: simples (mesma medida), compostas (versos com medidas diferentes) e livres (sem rigor métrico)

Estrofes mais tradicionais e refrão

Essas e Outras

Em síntese, a forma mais tradicional de poema é o soneto, composto em sua maioria de quartetos e tercetos, exemplo disso são os poemas de Tomás Antônio Gonzaga.

Portanto, o soneto é um poema de forma fixa que permaneceu muito tempo na tradição literária. A propósito, é importante lembrar que quando o quarteto é usado de forma mais popular, têm estrutura menos elaborada.

Neste sentido, podem rimar apenas os versos pares, o que é chamado de quadrinha. Porém, a quintilha e a sextilha, podem rimar de forma livre, sem obedecer a nenhum esquema rígido. 

Por outro lado, a décima organiza-se como um quarteto seguido de um sexteto. Além disso, obedece a um esquema diferente de rimas em cada subestrofe que a compõem. A propósito, vale lembrar também que são muitos os poemas que mesclam mais de um tipo de estrofe (estrofes compostas).

Dessa forma, o refrão é uma parte repetitiva ao longo do poema. Além disso, tanto nas poesias como nas letras de música, o refrão é direcionado para a memorização da poesia ou canção. A propósito, o refrão, em todas as épocas, teve um papel rítmico fundamental. Neste sentido,  podemos ver esta importância do refrão na lira IV do árcade Tomás Antônio Gonzaga, jurista, poeta e ativista que participou da inconfidência mineira.

A oitava na estrofe

Estrofe, o que é? Classificação, métrica e estrutura do poema
Conversa de Português

Primeiramente, a oitava, oito versos e uma estrofe, foi muito utilizada por Camões em “Os Lusíadas”. Neste sentido, a oitava aparece nos dez cantos de Os Lusíadas, e é muito utilizada também em todos os poemas épicos. Entretanto, as suas características são: oito versos em decassílabos e rima, da seguinte forma:

  • Primeiro tipo de rima: Rimas nos versos 1, 3 e 6
  • Segundo tipo de rima: Rimas nos versos 2, 4 e 6
  • Terceiro tipo de rima: Rimas nos versos 7 e 8

Exemplo do canto I de “Os Lusíadas”:

Vasco da Gama, o forte Capitão,

Que tamanhas empresas se oferecem.

De soberbo e de altivo coração

A quem fortuna sempre favorece

Para se aqui deter não vê razão

Que inabitada a terra lhe parece

Por diante passar determinada

Mas não lhe sucedeu como cuidava

Rimas:

  • Versos 1, 3 e 5: Capitão, coração, razão.
  •  V. 2,4 e 6: Oferece, favorece parece.
  • V. 7 e 8: Determinava, cuidava.

Quadrinha

Estrofe, o que é? Classificação, métrica e estrutura do poema
Diário de Pernambuco

Antes de mais nada, na quadrinha, a estrofe tem quatro versos. A propósito, muitas quadrinhas estão ligadas à filosofia popular. Basicamente, suas letras são formadas por quatro versos, de sete sílabas cada um. Dessa forma, também é utilizada em provérbios populares, adivinhas e desafios.

Exemplo de quadrinha no folclore brasileiro:

O anel que tu me deste

era vidro e se quebrou.

O amor que tu me tinhas

era pouco e se acabou”

Porém, a quadrinha foi muito utilizada também na linguagem poética. Neste sentido, Carlos Drummond de Andrade se inspirou nesse tipo de composição. Assim, é exemplo desse tipo de poesia, o poema “Viola de Bolso”, de Drummond, que fez em homenagem ao seu amigo, Murilo Mendes.

Métrica poética

Pexels

Basicamente, a métrica poética dentro do estrofe segue algumas regras baseadas na acentuação silábica tônica ou forte (o acento pode não coincidir com a sílaba forte).

Nesse sentido, o poema moderno já não segue essas regras, elas servem mais para uma análise poética, ou para o aprendizado da poesia. Assim,  os procedimentos para a contagem de sílabas respeitam a alguns fatores como: a contagem das sílabas é feita até o último acento tônico ou forte.

Por outro lado, a sílaba que termina em vogal fraca (átona) faz elisão, emenda com a vogal átona seguinte formando apenas uma sílaba. No entanto, os diferentes tipos de métricas se dividem em versos de 7 sílabas (heptassílabos), de oito, nove, dez de onze e doze. A propósito, é muito importante lembrar que a contagem das sílabas poéticas é diferente das contagens das sílabas gramaticais.

Por exemplo:

Sílabas gramaticais:

Tí /mi /da /es/ pe/ ra /a /bai /la  / ri  /na

1   2     3   4   5     6  7    8   9    10 11

Sílaba poética:

Tí/ mi / da  es  /pe / ra a/  bai/  la / ri  /na

1     2 3   4    5 6    7   8   (FABRE, 2006)

Alguns exemplos de versos de métricas diferentes:

pexels
  • Heptassílabo (Redondilha maior): basicamente, é uma das métricas mais tradicionais das estrofes. Portanto, podemos ver em um verso “Meus Oito Anos” de Casimiro de Abreu – “Ó que saudade que eu tenho…” . Por outro lado, foi muito usado na música popular. Assim, encontramos esse exemplo na “Banda” de Chico Buarque – “ estava a toa da vida…
  • Oito sílabas (octossílabo): inicialmente, é acentuado na quarta e oitava sílabas –“ Sou feiticeiro de nascença” de Torquato Neto.
  • Nove sílabas (eneassílabos): a princípio, tem acentuação na terceira, sexta e nona sílabas. Além disso, pode ter acentuação também na quarta e nona. Por exemplo: Fernando pessoa – “Ergue-se em mim uma lua falsa
  • Versos com dez sílabas (decassílabos): Em síntese, podemos ver um exemplo de decassílabo nesse trecho: “E oh! Minha amada o sentimento é cego” (Pedro Kilkerry)
  • Onze sílabas (hendecassílabos): “E jaz em teus filhos clamando vingança (Gonçalves Dias)
  • Doze sílabas (dodecassílabos): A princípio é também chamados de Alexandrinos, e foi utilizado nas poesias do modernismo. Portanto, podemos perceber como exemplo de verso dodecassílabo em alguns versos de Manuel bandeira. Por exemplo: – “Cita um sujeito que não leu, nunca, Alencar”.

Então, gostou da matéria? Se gostou, leia também, O que é verso? classificações, elementos, características e exemplos

Fontes: Brasil Escola, Significados, Todo Matéria, Info Escola, Recanto das Letras

Imagens: Pexels, Essas e Outras, O Globo, Conversa de Portugues, Diário de Pernambuco,

Bibliografia

ARAÚJO, Luciana Kuchenbecker. “O que é estrofe?”; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/o-que-e/portugues/o-que-estrofe.htm. Acesso em 10 de julho de 2021.

DIANA Daniela Estrofe: O que é, Exemplos , tipos e classificação. Toda matéria, em https://www.todamateria.com.br/estrofe/,

FABRE, Mardilê Friedrich, Recanto das Letras, em https://www.recantodasletras.com.br/teorialiteraria/254742

SANTANA, Ana Lucia, Estrofe – Literatura, Info Escola em https://www.infoescola.com/literatura/estrofe/

SIGNIFICADOS, estrofe: O que é, classificação e tipos, em https://www.significados.com.br/estrofe/,

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.