Principal » História » Fases do capitalismo – Conceito, características e transformações

Fases do capitalismo – Conceito, características e transformações

O capitalismo passou por três fases até adquirir o formato atual. Atualmente, assume importância essencial em diversos setores da sociedade.

Fases do capitalismo – Conceito, características e transformações

As fases do capitalismo ilustram bem como se desenhou a história da economia ao redor do mundo e como chegamos até o sistema atual, com um grande controle estatal e dos bancos na manutenção do nosso cotidiano.

Isso porque o capitalismo é um sistema econômico que tem como base um único objetivo: a lucratividade. Porém, para que ele assumisse a configuração atual é necessário entender como a economia se vinculou as descobertas históricas, invenções materiais e aos avanços geográficos e sociais, sobretudo no que diz respeito a chegada da globalização, alterando profundamente as relações sociais entre patrões e empregados.

Mas como esse sistema surgiu, quais suas características e implicações? Confira mais sobre o tema no texto abaixo.

Como surgiu o capitalismo

Até o século XV, o sistema de organização que predominava era o feudalismo. O feudo, ou seja, a terra, era o bem mais importante e substituía o dinheiro que temos atualmente.

Mais do que isso, possuir muitas terras era sinônimo de poder e prestígio. Contudo, esse modelo não permitia qualquer mudança ou evolução econômica.

As classes sociais eram bem divididas: quem nascia nobre continuaria assim até a morte, assim como quem era senhor feudal ou servo.

Fases do capitalismo – Conceito, características e transformações
Esquema de estratificação social no feudalismo: não havia mudança de classe

Os senhores feudais tinham como função administrar os feudos e possuíam o poder político local, enquanto os servos ofereciam sua mão de obra trabalhando nas terras.

Nessa época, tudo era produzido para o próprio consumo e não havia moedas ou dinheiro, portanto, a economia era baseada na troca de produtos.

A decadência do feudalismo

Com o passar do tempo, o modelo foi decaindo e entrando em falência. Alguns dos principais motivos envolvidos foram as expansões marítimas, com a abertura do comércio pelas águas a partir do século XV.

Além disso, contribuía para o declínio o crescimento das cidades, o surgimento das feiras livres e a ascensão de uma nova classe, a burguesia. Iniciava, nesse momento, uma nova fase do capitalismo.

A burguesia era a nova classe social da época e buscava gozar de poder e liberdade

Consequentemente, apareceu a moeda como valor de troca e o início da oferta de compra e venda, isto é, do modelo capitalista. A partir de então, os reis e a burguesia assumiram o controle da economia, com o objetivo de fortalecer o comércio.

Cabe destacar também a diminuição da força da Igreja Católica, instituição dona de muita influência e riquezas na época.

Primeira fase do capitalismo: O Capitalismo Comercial

A partir de então, a busca pelo lucro começou a se tornar o objetivo principal da economia, com a ascensão do comércio, da burguesia (nova classe em busca de prestígios e ascensão) e também com a descoberta de novas terras a partir das expedições marítimas.

As descobertas permitiram que as grandes metrópoles europeias explorassem os recursos de países na África e América do Sul. 

Expansões marítimas descobriram novas terras a serem colonizadas

Com isso, surgia a primeira das três fases do capitalismo. O Capitalismo Comercial acreditava que a riqueza mundial não deveria crescer e sim ser redistribuída.

A base do sistema era o mercantilismo, baseado na busca e controle de matérias-primas e metais preciosos, ou seja, na acumulação de riquezas.

Outra característica importante desse sistema foi a manufatura, sistema de trabalho artesanal e fragmentado que passou a prosperar em fábricas e comércios da época.

Em resumo, as principais características do capitalismo comercial ou mercantilismo eram o monopólio comercial, o metalismo, a balança comercial favorável (exportação devia ser maior que a importação), o controle da economia e o protecionismo (surgimento de barreiras alfandegárias).

A segunda fase do capitalismo: O Capitalismo Industrial

Após o sucesso da Revolução Industrial no século XVIII, que promoveu um grande crescimento das cidades, aumento na oferta de empregos, na expansão das indústrias e dos bens materiais, o capitalismo surgiu em nova fase, denominada Capitalismo Industrial.

Os produtos manufaturados do modelo anterior foram substituídos pelos industrializados, mais modernos e dinâmicos. O cenário atual era de êxodo rural e crescimento explosivo das grandes cidades.

O trabalho, que antes era feito manualmente, era agora realizado em grande escala de produção, onde a máquina a vapor (nova invenção da época) se tornou a protagonista do processo, substituindo a força do homem em muitas etapas.

Fases do capitalismo – Conceito, características e transformações
A máquina a vapor foi uma das grandes invenções da Revolução Industrial

Nesse sentido, adotou-se o liberalismo econômico, modelo idealizado por Adam Smith que privilegia o mercado e a livre concorrência sem interferência do Estado na economia.

Predominou a expansão e o desenvolvimento dos transportes, sobretudo dos automóveis, o aumento da produtividade, a ampliação das relações internacionais. Além disso, o modelo caracterizou-se também pelo excedente de produção, o surgimento da globalização e a acumulação do capital na mão dos donos de fábricas.

Por outro lado, pode-se destacar também o crescimento da insatisfação da mão-de-obra fabril, que sofria com altas cargas de trabalho, baixo salário, desvalorização e o posterior aumento do desemprego.

A terceira fase do capitalismo: O Capitalismo Financeiro

A terceira e última fase do capitalismo surgiu após a Segunda Guerra Mundial. Marcado pela expansão da globalização e o início da Segunda Revolução Industrial, o sistema passou a se aliar aos bancos, empresas multinacionais e grandes corporações.

Ademais, ocorreu uma espécie de fusão entre capital industrial e capital bancário. Isso porque, as empresas passaram a ser divididas em ações baseadas em valores (que mudam constantemente) e que definem os rumos do mercado através de conceitos como juros e taxas.

Bolsa de valores é um dos pilares do capitalismo financeiro

Outro conceito que merece ser mencionado é a possibilidade de fusão entre diferentes empresas, termo chamado de truste. Aqui, é possível que uma empresa compre outra, promovendo uma junção das estruturas. É o que ocorreu com a Magazine Luíza, que adquiriu a Netshoes, e com a Sadia, que se uniu a Perdigão.

Em suma, suas principais características são o incentivo a industrialização dos países emergentes (como Índia e Brasil), a expansão das multinacionais e das novas tecnologias, o aumento do espaço dedicado ao consumidor, a ascensão da concorrência internacional e a especulação financeira.

O que achou da matéria? Se curtiu, saiba também o que foi a Revolução Industrial e quais seus impactos no mundo.

Fontes: Educa Mais Brasil, Toda Matéria, Brasil Escola

Imagens: Via Empresas, Gestão Educacional, Conceitos, Stoodi, Pinterest, Exame

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.