Feudalismo: o que era, como funcionava e como terminou?

O Feudalismo foi um importante sistema europeu que entrou em crise após as mudanças marcantes do século XIV e a chegada da Idade Moderna.

Primeiramente, o feudalismo foi o sistema de produção preponderante da Europa medieval. Sendo assim, era através do mesmo que as pessoas produziam os recursos necessários para sua sobrevivência, abastecimento do território (feudo) e sustentação da nobreza.

Todavia, muito além da produção de recursos, o feudalismo ditava também a organização social. Logo, o mesmo estabelecia como as pessoas relacionavam-se entre si, bem como seu lugar na sociedade. Ao passo que originou-se no final do século III, o sistema feudal consolidou-se no século VIII e chegou ao fim no século XIV.

Sendo assim, pode-se dizer que o mesmo foi consequência da queda do Império Romano, consolidou-se juntamente com o poder e influência da Igreja Católica e teve fim após a ascensão da burguesia, o que marcou a transição para a Idade Moderna.

Em suma, a crise do Feudalismo ocorreu no último período da Idade Média, chamado de Baixa Idade Média. Visto que o crescimento populacional abalou a autossuficiência dos feudos, houve uma grande migração para as cidades. Como resultado disso, o feudalismo começou a declinar.

A insustentabilidade do feudalismo

Feudalismo: o que era, como funcionava e como terminou?
Fonte: Towards Data Science

Assim como mencionado acima, a base do sistema feudal era uma relação servil de produção. Sendo assim, existiam os senhores feudais, donos das terras, e os vassalos, aqueles que o serviam. No entanto, muito além de um mero sistema de produção, o feudalismo era um modo de organização social, político e cultural.

Logo, em todos esses âmbitos, havia quem servia e quem era servido. Em suma, os feudos baseavam-se na posse de terras, na monarquia, na centralização do poder, na autossuficiência e numa sociedade estamental. Havia a nobreza, o clero e o povo, sem qualquer possibilidade de mobilidade social.

Portanto, como reforço, dentre as principais características do feudalismo podemos citar:

  • economia agrícola;
  • servidão (vassalagem);
  • impossibilidade mobilidade social;
  • existência de três camadas sociais: nobreza, clero e vassalos;
  • poder jurídico, político e econômico concentrado nas mãos dos senhores feudais;
  • servos obrigados a pagar impostos e tributos a esses senhores;
  • forte influência dos conceitos religiosos e da Igreja Católica;
  • guerras entre senhores feudais como forma de obter novas terras.

Embora houvesse a impossibilidade de mobilidade social, o crescimento populacional resultou em uma nova classe social: a burguesia. Dessa forma, a classe burguesa era formada por artesões, mercadores, banqueiros e donos de companhias de comércio. Eles moravam nas antigas cidades medievais fortificadas, denominadas de burgos.

Sendo assim, a explosão demográfica apenas impulsionou a migração dos habitantes dos feudos para as cidades. Como resultado disso, houve uma ascensão comercial e expansão urbana. Em contrapartida, a nobreza e a Igreja perderam poder e influência, assim como os senhores feudais.

A ascensão da burguesia

Feudalismo: o que era, como funcionava e como terminou?
Fonte: Pinterest

Ao passo que as pessoas mudaram-se dos feudos para as cidades em busca de melhores condições de vida, houve uma intensificação das atividades comerciais. Dessa forma, o sistema de troca de produtos e serviços foi substituído pelo uso de moedas. Assim, as cidades medievais fortaleceram-se, e a classe burguesa também.

Sendo assim, após um milênio de predomínio agrícola, o comércio retomou suas atividades. Visto que transações comerciais eram realizadas com outros povos, principalmente do Oriente, a burguesia interessou-se por novas culturas e novas tecnologias, o que propiciou o impulso do que viria a se tornar um grande avanço científico.

Enquanto as sementes do renascimento eram plantadas, o sistema feudal entrava em declínio. Além disso, nem mesmo a nobreza estava em bons lençóis, visto que a burguesia era contra o Absolutismo e queria uma nova economia baseada no sistema capitalista.

O declínio do feudalismo

Feudalismo: o que era, como funcionava e como terminou?
Fonte: Pinterest

Por fim, pôde-se perceber que dois fatores principais contribuíram para o fim do feudalismo: o êxodo rural e a ascensão da burguesia. No entanto, além desses motivos, outras razões impulsionaram a queda do sistema, por exemplo:

Como resultado desse conjunto de fatores, o desparecimento do feudalismo marcou o fim à Idade Média e o início da Idade Moderna.

E então, o que achou dessa matéria? Pois bem, não deixe de ler também sobre o Renascimento e as Grandes Navegações.

Fonte: Mundo Vestibular, Toda Matéria, Sua Pesquisa, Mundo Vestibular, Brasil Escola, InfoEscola, Significados, Mundo Educação, Educa Mais Brasil.

Bibliografia:

  • ARRUDA. José Jobson de Andrade. História Antiga e Medieval. São Paulo: Editora Ática, 1988.
  • SILVA, Marcelo Cândido da. História Medieval. São Paulo: Contexto, 2019.
  • SOUSA, Rainer Gonçalves. “Crise do Feudalismo”; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiag/crise-feudalismo.htm. Acesso em 2 de dezembro de 2018.
  • CONTE, Giuliano. Da crise do feudalismo ao nascimento do capitalismo. v. 2. Lisboa: Presença, 1976.
  • ANTONETTI, Guy. A economia medieval. São Paulo: Atlas, 1977.
  • PINSKY, Jaime. O modo de produção feudal. São Paulo: Brasiliense, 1979.

Imagem destacada: Aqua Permanens

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.