História

História do Natal – Origem, símbolos e tradição cristã

A história do Natal tem suas origens em festas pagãs feitas por povos da antiguidade. A data também relembra o nascimento de Cristo.

Continue lendo após a publicidade

Inicialmente, a história do Natal tem origem em festas que duravam dias e eram feitas por povos do hemisfério Norte durante o Solstício de Inverno. Entretanto, durante o Império Romano, as festas eram feitas em homenagem ao deus Sol Invicto.

O Natal é comemorado anualmente no dia 25 de dezembro e é uma das mais importantes festas para o calendário cristão. Todavia, é conhecido por representar o nascimento de Jesus Cristo em Belém, atualmente na Cisjordânia.

Algumas pessoas comemoram a festa de Natal na virada do dia 24 para o dia 25 ou somente no dia 25 de dezembro. Todavia, a história do Natal é associada também a outros costumes que tinham os povos antigos e que acabaram sendo cultivados com o passar dos anos.

Origem da história do Natal

A origem do Natal não pode ser estabelecida de maneira precisa pela falta de documentos de comprovação. Entretanto, estudos feitos ao longo do tempo auxiliam a humanidade a conseguir desenvolver uma noção acerca do início da história do Natal.

Continue lendo após a publicidade
deus sol invictus natal
Coluna romana pré-cristã com representação ao deus Sol Invictus.

A princípio, a palavra Natal tem origem no latim e faz referência a natalis, palavra que significa nascer. Suas origens enquanto festa existem desde as festas pagãs que aconteciam em dezembro, no Império Romano.

Todavia, nesta época era comemorado o solstício de inverno, fenômeno astronômico que marca a noite mais longa do ano, justamente o início do inverno. Durante esse tempo do calendário, o Império Romano fazia festas para o deus Sol Invicto.

Por sua vez, essas festividades aconteciam no dia 25 de dezembro e eram conhecidas pelo nome de Dies Natalis Solis Invicti. Com o passar do tempo, a festa foi realizada em homenagem ao deus Mitra, originário da cultura persa e que acabou se tornando um dos principais deuses romanos.

No hemisfério norte, há relatos de uma festa pagã chamada de Yule ou Jól, feita pelos povos nórdicos que acabaram incorporando a árvore de Natal como símbolo deste momento. A festividade acontecia por dias, entre 21 de dezembro e meados de janeiro.

Continue lendo após a publicidade

A invenção da história do Natal

Enquanto festa cristã, o Natal surgiu entre o século II d.C. e IV d.C., sendo assim estipulada nesta data pelo fato de os cristãos da época não saberem exatamente a data do nascimento de Jesus Cristo.

Entretanto, historiadores dizem não existirem menções ao nascimento de Cristo em documentos cristãos. Nesse sentido, a primeira menção sobre a existência de discussões acerca do nascimento de Cristo é datada do ano 200 d.C.

São Nicolau, o santo que deu origem ao Papai Noel.

Foi no século IV d.C., que uma publicação conhecida como Cronógrafo de 354 fez menção ao dia 25 de dezembro como o dia do nascimento de Jesus Cristo.

O calendário foi criado por Fúrio Dionísio Filócalo e pode ter sido influenciado por uma decisão do papa Júlio I, que determinou o dia 25 como nascimento de Cristo.

Continue lendo após a publicidade

Atualmente, teorias sobre a história do Natal apontam que a escolha do 25 de dezembro foi uma maneira encontrada pela Igreja Católica de enfraquecer as celebrações pagãs e garantir um número maior de fiéis convertidos ao cristianismo.

Símbolos natalinos

O Natal carrega consigo uma simbologia muito forte. O ciclo de Natal dura doze dias e é celebrado entre 25 de dezembro e 6 de janeiro. Todavia, esse tempo está relacionado com a duração da viagem dos três reis magos – Baltazar, Gaspar e Melchior – levaram para chegar até Belém.

Dentro da seara natalina, surgiram alguns símbolos que têm uma ligação muito forte com a data. São eles:

1 – Presépio: segundo relatos, no século XIII, São Francisco de Assis quis recriar a cena do nascimento de Jesus e montou o primeiro presépio da história.

Continue lendo após a publicidade

Basicamente, o presépio representa a união do divino com o terreno, com referências ao anjo Gabriel e aos três reis magos, que levaram presentes ao menino Jesus.

presépio natal
UmComo

2 – Papai Noel: o bom velhinho tem suas origens com Nicolau, um bispo turco nascido em 280 d.C. e que costumava ajudar pessoas pobres, deixando sacos com moedas nas chaminés das casas.

A Igreja Católica transformou Nicolau em santo, após comprovação de milagres feitos por ele. Sua associação com o Natal, entretanto, teve início na Alemanha e se espalhou pelo mundo.

Anteriormente, a roupa do Papai Noel era marrom ou verde escura, em tons de inverno. Contudo, em 1886, o alemão Thomas Nast criou uma nova imagem para o velhinho, com roupas vermelha e branca e cinto preto.

Continue lendo após a publicidade

Em 1931, uma campanha da Coca-Cola mostrou o Papai Noel com a roupa nas mesmas cores do refrigerante. A propaganda teve enorme sucesso e espalhou a imagem do bom velhinho pelo mundo inteiro até os dias atuais.

papai noel coca cola
Obvious

3 – Árvore de Natal: essa prática é mais antiga do que se pensa e tem origem nas festas pagãs da Antiguidade. O ato de decorar árvores de Natal se popularizou na Idade Média para a Idade Moderna.

árvore de natal
IstoÉ

Curiosidades natalinas

Por ser uma data comemorada pela humanidade por mais de dois mil anos, o Natal por si só é rodeado de histórias que ajudaram na criação da festa.

Por exemplo, acredita-se que Martinho Lutero foi um grande incentivador da árvore de Natal. Em 1530, ele teria ficado deslumbrado com a imagem dos pinheiros cobertos de neve enquanto caminhava pela floresta e acabou por reproduzir essa cena em casa.

Continue lendo após a publicidade

Todavia, não era só São Nicolau que tinha a fama de bom velhinho. A tradição conta que o deus viking Odin pode ser considerado como o Papai Noel original.

Todavia, a mitologia conta que no inverno, Odin andava em seu cavalo voador de oito patas distribuindo presentes e punições para crianças que enchiam as botas ou meias com agrados.

odin natal
Deus viking Odin e sua relação com o Natal.

Nesse sentido, religiões como o budismo e o islamismo não comemoram o Natal. Em lugares como Marrakech, Bangcoc, São Petersburgo, Istambul, Bahamas ou Maldivas, a época final de dezembro é como qualquer outra do ano.

Em 1950, se teve notícia da maior árvore de Natal. Ela media mais de 67 metros e ficava no Northgate Shopping Center, na cidade de Seattle, Estados Unidos.

Continue lendo após a publicidade

O que achou da matéria? Se gostou, leia também: Jerusalém – História, fundação, disputas políticas e conflitos internos.

Fontes: Toda Matéria, Brasil Escola, Mundo Educação, El País, Sua Pesquisa, Escola Kids

Imagens: SNPC, O Sentinela, Alto Astral, UmComo, Obvious, IstoÉ, Terra

Continue lendo após a publicidade
Próxima página »

Comentários

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments