Leis de Mendel – cruzamentos, polinização cruzada e linhagens obtidas

As Leis de Mendel trouxeram luz à questão da hereditariedade, sendo que seus experimentos serviram de embasamento para a Genética.

As Leis de Mendel são um conjunto de fundamentos que explicam o mecanismo da transmissão hereditária durante as gerações. Estudando como ervilhas transmitiam suas características para outras gerações, ele enunciou duas leis.

Os experimentos de Gregor Mendel clarearam os mecanismos de hereditariedade, por isso ele é tido como o Pai da Genética.

Mendel cruzou linhagens de ervilhas que selecionou como puras, pois após seis gerações não mudavam e suas características eram as mesmas. Utilizou então as linhagens puras para experimentar nelas a chamada polinização cruzada.

Contexto Histórico

A hereditariedade faz parte da Genética. E é aquilo que garante que o indivíduo receba e transmita informações genéticas por meio da reprodução. Isso se dá através dos genes, que detêm informações que estão no DNA dos indivíduos como sequências de nucleótidos.

O ser humano sempre foi fascinado por entender os mecanismos da hereditariedade. Por exemplo, um filho se parece com o pai e o outro com a mãe. Antes da Genética haviam apenas especulação sobre o assunto, sem nada de científico para comprovar.

Leis de Mendel - cruzamentos, polinização cruzada e linhagens obtidas
Gregor Mendel

Foi o monge agostiniano Gregor Johann Mendel que, a partir de 1856, principiou pesquisas visando entender os mecanismos da hereditariedade. Sua intenção inicial era tão só aperfeiçoar a produção agrícola, mas seus estudos embasaram a Genética mais tarde. Isso se deu através das Leis de Mendel.

As Experiências que Levaram às Leis de Mendel

Mendel decidiu utilizar nas experiências uma planta chamada ervilha-de-cheiro (pisum sativum), posto que possuía características apropriadas. É que elas podem ser facilmente cultivadas, se autofecundam e, principalmente, apresentam um breve ciclo reprodutivo.

Leis de Mendel - cruzamentos, polinização cruzada e linhagens obtidas

Mendel decidiu realizar cruzamentos entre várias linhagens das ervilhas selecionadas como puras. Isto é, aquelas que depois de seis gerações não mudavam as características. Quando finalmente separou as linhagens puras, ele passou à fase dos cruzamentos de polinização cruzada.

Ele adotou como metodologia anotar sete características, a saber: cor e posição da flor no caule. Assim como cor e textura da semente, forma e cor da vagem, e altura da planta. Um exemplo das experiências de Mendel: ele colhia o pólen de uma planta de semente verde e fecundava outra de semente amarela.

Foram muitos os cruzamentos visando observar de que forma as características eram herdadas pelas gerações. E foi assim que ele criou suas leis, posteriormente chamadas de Genética Mendeliana.

A 1ª Lei de Mendel

Leis de Mendel - cruzamentos, polinização cruzada e linhagens obtidas

A 1ª das Leis de Mendel recebeu o nome de Lei da Segregação dos Fatores ou Moibridismo. Ele enunciou que cada característica é definida por dois fatores separados na formação dos gametas. Ele notou que linhagens variadas, com diferentes características, sempre geravam sementes puras que não se alteravam nas gerações.

As plantas de sementes verdes tinham todos os seus descendentes com sementes da mesma cor. Mendel então passou a fazer a autofecundação entre elas, ocorre que, na segunda geração, apareceram sementes verdes e amarelas e verdes.

A proporção era de 3:1, entre verdes e amarelas. Isso levou o monge a concluir que a cor das sementes era determinada por dois fatores. Um dominante, que determina a cor das sementes verdes, só que o outro recessivo, determinante das sementes amarelas.

A 2ª Lei de Mendel

Leis de Mendel - cruzamentos, polinização cruzada e linhagens obtidas

A 2ª das Leis de Mendel recebeu o nome de Lei da Segregação Independente dos Genes ou Diibridismo. Ele queria saber como se dava a transmissão de duas ou mais características ao mesmo tempo.

Então fez o cruzamento de plantas com variadas características, posto que cruzou umas com sementes amarelas e lisas. Cruzou também outras plantas de sementes verdes e rugosas. Na primeira geração, como esperado, apareceram somente sementes amarelas e lisas, já que é caráter dominante. Mas cruzando indivíduos puros, apareceram sementes verdes e rugosas.

Mendel cruzou os seguintes genótipos e fenótipos: V_: Dominante (a cor amarela), R_: Dominante (a forma lisa). Também: vv: Recessivo (a cor verde) e rr: Recessivo (a forma rugosa).

Mendel descobriu variados fenótipos na segunda geração: nove amarelas e lisas, três amarelas e rugosas, três verdes e lisas e uma verde e rugosa.

Há quem fale na existência de uma 3ª Lei de Mendel, só que ela, na verdade, é um resumo das duas anteriores. Por isso é mais usado o critério de apenas duas leis. A Lei da Distribuição Independente enuncia que cada fator puro para determinada característica se transmite à próxima geração. Só que isso se dá de maneira independente uma da outra, conforme as duas leis anteriores.

Leia também sobre a Polinização – formas, tipos, agentes polinizadores, autopolinização.

Fonte: Educa Mais Brasil, Quero Bolsa, Escola Kids, Estudo Prático, Toda Matéria, Todo Estudo, Mundo Vestibular.

Fonte das imagens: Net Nature, Todo Estudo, YoutubeRizomas, Slide Player.

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.