Principal » Geografia » O que é gentrificação? Saiba por que esse problema existe

O que é gentrificação? Saiba por que esse problema existe

Na prática, a gentrificação é um processo de transformação urbana. Dessa forma, este processo “expulsa” o morados dos bairros periféricos e transforma essas áreas em regiões nobres.

gentrificação

A gentrificação é um processo de transformação urbana. Por meio dela, áreas periféricas são transformadas em áreas nobres. Uma das suas causas é a especulação imobiliária.

Sendo que a gentrificação resulta na expulsão dos moradores de bairros periféricos, pois eles não têm condições financeiras de arcar com a alta no custo de vida.

O que é gentrificação?

A palavra gentrificação vem do inglês gentry. Em português é “de origem nobre” ou “bem nascido”.  Sendo assim, essa palavra define um tipo de “aburguesamento” de certas áreas.

Sendo que, o termo foi criado pela socióloga germano-britânica Ruth Glass, na década de 90. Na prática, a gentrificação é um processo de transformação urbana.

Dessa forma, este processo “expulsa” os moradores dos bairros periféricos e transforma essas áreas em regiões nobres. Alguns responsáveis por este fenômeno são:

  • Especulação imobiliária;

  • Aumento do turismo;

  • Obras governamentais.

Como funciona o processo de gentrificação?

As áreas periféricas, muitas vezes, nascem de forma não planejada. Ou seja, elas nascem de invasões e irregularidades. Além disso, pode acontecer de ser áreas de risco.

Inclusive, este é um dos motivos pelos quais esses locais costumam sofrer com coisas básicas em outras regiões. Por exemplo, asfalto, iluminação, saneamento básico e etc. Logo, essas são áreas bem desvalorizadas nas cidades.

Sendo que, com o passar do tempo, passa a ocorrer uma descentralização dessas regiões. Ou seja, as áreas centrais e bairros desenvolvidos, passam a se expandir para outras áreas.

Nesse cenário, as regiões periféricas passam a ser ressignificadas. Dessa forma, elas passam por uma modernização dos espaços.

Essas regiões então se valorizam. Com isso, elas atraem moradores e comerciantes com mais renda.

A questão é que a população periférica não se identifica mais com os novos hábitos e comércio da região gentrificada. Isso quer dizer que a gentrificação começa a acontecer no aspecto cultural.

No entanto, o impacto não para por aí. Como as pessoas e comerciantes têm mais renda, existe um impacto financeiro. Isso porque, o custo de vida no geral fica mais caro.

Desse modo, as pessoas que moravam lá antes precisam se mudar para outros locais com custo de vida mais barato. Ou seja, elas são “expulsas” da sua região.

O resultado disso é que essas pessoas vão morar em locais ainda mais afastados. Sendo que essas regiões podem ter condições de vida bem ruins. Enfim, esse processo é chamado de segregação urbana.

Diferenças entre gentrificação e revitalização

Em teoria, a grande diferença entre revitalização e gentrificação está na intenção. Isso porque, na revitalização, o intuito é melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem em certa região.

Sendo assim, a intenção é que os moradores continuem a morar nesses locais. Contudo, a revitalização pode acabar causando a gentrificação.

Isso porque, com a revitalização, as áreas se valorizam. Isso atrai mais pessoas para morar nessa região. Com isso, a especulação imobiliária pode subir.

No fim das contas, o custo de vida da região pode subir. Logo, as pessoas que moravam lá podem ter que se mudar. Logo, temos uma gentrificação.

Por que a gentrificação é criticada?

Para alguns especialistas, a gentrificação é um processo natural em todas as grandes cidades. No entanto, esse é um processo que causa um grande impacto negativo na população de baixa renda.

Isso porque as pessoas não conseguem arcar com a alta no custo de vida. Logo, elas acabam tendo que se mudar para locais ainda mais afastados do centro.

Com isso, elas ficam mais longe dos seus empregos. Pode ocorrer ainda dessas pessoas ficarem sem emprego e não conseguirem um trabalho nas regiões que foram morar.

Além das pessoas de baixa renda, a cidade como um todo é prejudicada. Isso porque, a gentrificação pode resultar no aumento dos problemas sociais da cidade.

Uma das formas de amenizar as consequências da gentrificação seria oferecer para todos os afetados um aluguel social equivalente aos valores da região.

Em resumo, o aluguel social é um auxílio financeiro do Estado para as famílias que se enquadram em certos critérios.

Consequências

Algumas possíveis consequências da gentrificação são:

  • Congestionamentos

  • Custo de vida mais alto

  • Fechamento do comércio local

  • A população pode ser afastada das áreas centrais

  • Dificuldade de mobilidade urbana

Exemplos

Algumas obras públicas no Brasil que causaram um processo de gentrificação foram:

  • Projeto Novo Recife no Cais José Estelita, no Recife

  • Construção da Arena Corinthians (Itaquerão) na Zona Leste de São Paulo

  • Obras para a Cidade Olímpica no Rio de Janeiro

  • Construção do Vale do Silício a baía de São Francisco

Impactos no meio ambiente

A gentrificação causa preocupação quando o assunto é o meio ambiente e a sustentabilidade. Isso porque, muitas vezes, ocorre a demolição de áreas verdes para a criação de novos empreendimentos.

Além disso, a gentrificação resulta em novos pontos de poluição. Isso porque, ocorre o prolongamento do trânsito e a emissão de poluentes e resíduos gerados nas obras.

Portanto, a falta de projetos de revitalização que se preocupem com o desenvolvimento social e ambiental é um grande problema do Estado.

Com isso, a gentrificação acaba dominando o cenário do crescimento urbano. É por causa disso que todos devem se preocupar com essas questões.

Enfim, gostou do texto? Então aproveite para aprender também o que é êxodo urbano e a sua relação com a gentrificação.

Fontes: Vive decora, Mundo educação e Courb.

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.