História

Escola Patrística: O que foi, características, Corrente filosófica cristã

A Escola Patrística é uma Filosofia Cristã dos três primeiros séculos, elaborada pelos Pais da Igreja, os primeiros filósofos, daí o nome Patrística.

Continue lendo após a publicidade

A Escola Patrística foi uma corrente filosófica cristã que surgiu no século IV.

Ela ocorreu nos primeiros séculos da era cristã, onde o desenvolvimento filosófico foi realizado por filósofos padres da Igreja Católica.

O principal filósofo foi Agostinho de Hipona, que pensou na racionalização da fé cristã.

A Escola Patrística foi também reação ao desenvolvimento filosófico e teológico dos árabes, que se aproximavam da filosofia de Aristóteles.

Continue lendo após a publicidade

Características da Escola Patrística

A Patrística é considerada a primeira fase da filosofia medieval. Sua principal característica era a expansão do Cristianismo na Europa, assim como o combate aos hereges.

Essa doutrina filosófica foi representada pelo pensamento dos Padres da Igreja, que trabalhavam na construção da teologia cristã.

A racionalização da fé cristã também é uma característica dessa escola, posto que foi se fundar na Filosofia Grega.

Os filósofos desse período queriam compreender a relação entre a fé divina e o racionalismo científico.

Continue lendo após a publicidade

Os principais temas abordados na Patrística eram a criação do mundo, ressurreição, encarnação, o corpo e a alma, pecados, livre arbítrio e predestinação divina.

A Escola Patrística foi elaborada pelos primeiros filósofos cristãos

A Patrística e Santo Agostinho

Santo Agostinho (354-430) foi teólogo, bispo, filósofo e o principal expoente da Patrística.

Ele escreveu bastante sobre a luta do bem e do mal (maniqueísmo), assim como sobre o neoplatonismo (interpretação do platonismo de forma mística e espiritualista).

Continue lendo após a publicidade

Desenvolveu igualmente o conceito de “pecado original” e do “livre arbítrio” como forma de combater o mal.

A “predestinação divina”, com a salvação dos homens pela graça de Deus, foi outro tema estudado por Agostinho.

Ele cria na fusão da (representada pela Igreja) e da razão (representada pela Filosofia) para encontrar a verdade.

As Escolas Patrística e Escolástica

A Escola Patrística foi o período inicial da Filosofia Medieval, posto que durou até o século VIII. Por sete séculos essa Filosofia ensinou os teólogos, padres, bispos da Igreja.

Continue lendo após a publicidade

No século IX apareceu a Filosofia Escolástica, a qual permaneceu até o início do Renascimento (século XVI).

A Escola Patrística foi elaborada pelos primeiros filósofos cristãos

São Tomás de Aquino (1225-1274), chamado de “Príncipe da Escolástica”, é o principal representante dessa escola.

Os estudos de Aquino ficaram conhecidos como Tomismo. Em 1567 ele foi nomeado Doutor da Igreja Católica.

Continue lendo após a publicidade

Como a Patrística, a Filosofia Escolástica se inspirou na Filosofia Grega e na religião cristã. Seu método dialético de união de fé e razão tinha como fim o crescimento humano.

Os estudos de Aquino se inspiraram no Realismo Aristotélico, no entanto os de Agostinho se voltaram para o Idealismo de Platão.

A Patrística disseminou os dogmas associados ao Cristianismo, defendendo a religião cristã e negando o paganismo.

Por outro lado, a Escolástica, através do racionalismo, explicou a existência de Deus, do céu e do inferno. Abordou também as relações entre o homem, a razão e a fé.

Continue lendo após a publicidade

Se você curtiu conhecer mais sobre as filosofias cristãs, não pode deixar de ler também a respeito de Esparta e Athenas, diferenças entre as cidades-Estado da Grécia Antiga.

Fonte: Info Escola, Toda Matéria, Portal Educação, Cléofas, Blog do Enem, Web Artigos, Estudo Prático, Recanto das Letras.

Próxima página »

Comentários

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments