Outros assuntos

O que você precisa saber para sobreviver à uma bomba nuclear

Continue lendo após a publicidade

Considerando os últimos acontecimentos, como países violando tratados de armas e produzindo misseis nucleares de longo alcance, uma guerra nuclear não é algo 100% improvável.

Suponhamos que uma bomba caia em sua cidade, e você sobreviva a explosão, você sabe o que deve ser feito para sobreviver as próximas horas, talvez dias?

Michael Dillon, pesquisador do Lawrence Livermore National Laboratory, analisou dados e números, e ajudou a descobrir exatamente isso em um estudo de 2014 publicado na revista Proceedings of the Royal Society A.

Da mesma forma, agências governamentais e outras organizações também exploraram a questão e elaboraram recomendações e planos detalhados.

Continue lendo após a publicidade

O cenário

Você está em uma cidade grande, que é alvo de uma única detonação nuclear de baixo rendimento, entre 0,1 e 10 quilotons. Seu principal objetivo, caso sobreviva à explosão, é se proteger da precipitação nuclear, que vem após a explosão em forma de poeira.

Abrigo

A explosão irá “polvilhar” uma grande quantidade de material radioativo que foi vaporizado pelas altas temperaturas, esse material irá se espalhar de acordo com o sentido do vento. Se você souber a direção predominante dos ventos na sua cidade, use isso a seu favor para evitar a zona de precipitação.

A melhor coisa a se fazer é encontrar um bom lugar para se esconder, busque lugares com paredes mais grossas e densas possíveis, em seguida, espere até que os socorristas te encontrem para ajuda-lo.

Continue lendo após a publicidade

No Brasil, a grande maioria das casas não possuem porões, então é recomendado buscar abrigo nos subsolos dos prédios próximos. Os melhores abrigos são de tijolos grossos ou de concreto e não têm janelas.

O infográfico abaixo, um guia do governo americano, mostra os melhores lugares para se esconder. Quanto maior o número, mais seguro é o local.

Da esquerda para a direita, do menos ao mais seguro, estão os seguintes materiais: madeira, madeira com uma camada de tijolos, e tijolo e concreto. A altura dos edifícios também importa.

Continue lendo após a publicidade

Escondendo-se no subsolo de um prédio de apartamentos de cinco andares de tijolos, por exemplo, deve expor você a apenas 0,5% da quantidade de radiação.

Por outro lado, ficar na sala de estar de sua casa só irá reduzir a radiação pela metade, o que não vai ajudá-lo muito.

Então, o que você deve fazer se não existir nenhum abrigo bom perto de você? Ficar em abrigo com pouco proteção ou sair, e ficar exposto a radiação, para buscar um abrigo melhor?

Você deve ficar ou você deve ir?

O pesquisador Michael Dillon publicou em seu estudo um guia para determinar qual a melhor opção:

Continue lendo após a publicidade

Se você não estiver em um bom abrigo, mas sabe de um algum lugar que você consiga chegar lá em 5 minutos, um subsolo por exemplo, vale a pena correr e se abrigar no local.

Mas se o edifício mais seguro, de paredes espessas, está a 15 minutos ou mais de viagem, é melhor ficar no abrigo frágil por algum tempo.

Se os socorristas não aparecerem na próxima hora, vale a pena sair para procurar um abrigo melhor, pois à essa altura as radiações mais intensas já passaram.

Sabendo de tudo isso, você provavelmente terá mais chances de sobreviver após uma bomba cair em sua cidade!

Continue lendo após a publicidade

 

Artigo originalmente publicado na [BusinessInsider].
Imagens: Reprodução.

Próxima página »

Comentários

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
4 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments

[…] da velocidade da luz (c²), equivale a uma quantidade de energia E. Dessa maneira, a criação da bomba atômica e o surgimento de usinas nucleares foram possíveis a partir da […]

[…] de possíveis ameaças. Em último caso, se a situação saísse do controle, iniciariam uma “guerra nuclear” ou “uma guerra em escala global”. Sendo o objetivo restabelecer a normalidade do […]

[…] de possíveis ameaças. Em último caso, se a situação saísse do controle, iniciariam uma “guerra nuclear” ou “uma guerra em escala global”. Sendo o objetivo restabelecer a normalidade do […]

[…] forma essas unidades suicidas consistiam em operações onde os caças A6M Zero eram armados com bombas de 250kg. Bem como colidiam com porta-aviões e navios dos inimigos, em uma espécie de mergulho. […]