Regra dos porquês: dicas de uso do por que, por quê, porque e porquê

A regra dos porquês costuma confundir muita gente, só que há regras simples para seu emprego, impedindo o uso equivocado.

Embora a gramática da língua portuguesa seja considerada uma das mais difíceis do mundo, algumas regras são mais complexas que outras. Enquanto na fala geralmente não existem dúvidas quanto a regra dos porquês, na hora da escrita a história é outra.

Sendo assim, é comum ter dúvidas sobre o uso correto dessas palavras, já que sua grafia errada está por toda parte. No entanto, existe uma solução para essa dúvida recorrente. Estamos falando da regra dos porquês, a qual ensina como empregar corretamente as formas: por que, porquê, por quê e porque.

Em suma, essa regrinha geral pode sanar suas dúvidas de forma bem objetiva. Por exemplo, de forma resumida, em caso de perguntas e respostas deve-se usar, respectivamente, por que e porque. Em contrapartida, quando a pergunta estiver no final da frase, utiliza-se por quê e, no caso do substantivo, porquê.

Regra dos porquês: quando usar por que, por quê, porque e porquê?
Fonte: YouTube

Todavia, caso não tenha ficado didático o suficiente, não desista. Logo abaixo explicamos passo a passo a forma de utilização de cada um dos componentes da regra dos porquês.

Regra dos porquês: quando empregar por que?

Na regra dos porquês, deve ser usada a forma do por que quando tratar-se de perguntas, assim como pronome relativo. Dessa maneira, o emprego do por que, grafado assim com palavras separadas e sem acento, dá-se no começo das frases interrogativas diretas. Porém, o mesmo também pode ser usado no meio das frases interrogativas indiretas. Por exemplo:

  • Por que ela desistiu? Eu quero saber por que você vai.
  • Por que você não foi dormir? Não sei por que passei.

O por que tem a função de pronome relativo, quando utilizado no meio das frases. Nesse caso permite-se a substituição por “pelo qual” e “por qual”. Exemplificando:

  • O caminho por que passei é ruim. (O caminho pelo qual passei é ruim.)
  • A causa por que lutamos é idealista. (A causa pela qual lutamos é idealista.)

Quando empregar porquê?

Ainda na regra dos porquês, utiliza-se o porquê escrito junto e com acento como substantivo, visto que significa “razão” ou “motivo”. Dito isso, ele sempre surge nas frases precedido de artigo, adjetivo, pronome ou numeral, cujo objeto é explicar o motivo. Aliás, abaixo você pode conferir alguns exemplos de seu emprego:

  • Não contou para mim o porquê de me enganar.
  • Todos estão tentando entender o porquê de tal tragédia.
  • Algumas coisas na vida acontecem sem porquês.

Vale reparar que, no terceiro exemplo, o porquê não é antecedido por um artigo. Curiosamente, essa é uma das características dos substantivos: variar em gênero, grau e número.

Regra dos porquês: quando usar por que, por quê, porque e porquê?
Fonte: Letras Soltas

Regra dos porquês: quando usar por quê?

Com a regra dos porquês, aplica-se o por quê grafado separado e com acento ao final das frases interrogativas diretas ou de forma isolada. Ainda que venha depois de uma vírgula ou mesmo ponto, conserva seu sentido interrogativo. Só para ilustrar, podemos apresentar os seguintes exemplos:

  • O moço ainda está aqui por quê?
  • Correr a cavalo, por quê?
  • Não vai embora mais? Por quê?
  • Você estava muito triste ontem, por quê?

E, por fim, quando utilizar porque?

Por fim, na regra dos porquês, o porque grafado junto e sem acento significa uma conjunção subordinativa causal ou então coordenativa explicativa. Autoriza a substituição por palavras do tipo: “pois”, “para que” e “uma vez que”. Sendo assim, a seguir você pode conferir alguns exemplos de emprego do porque:

  • Não fui correr porque machuquei.
  • Não convém entrar, porque está quente.
  • Me atrasei porque choveu.
  • Ele estava infeliz porque não tinha dinheiro.

E então, gostou dessa matéria? Pois bem, aproveite para ler também sobre Coesão e coerência textual – Função, características e aplicação.

Fontes: Dúvidas, Brasil Escola, BBC News, Norma Culta, Só Português, Português, Info Escola, Folha, Toda Matéria, Recanto das Letras, Ache Concursos, UFLA, Vestibulares, Descomplica.

Bibliografia:

  • SOUZA, Warley. “Uso dos porquês: por que, por quê, porque ou porquê?”; Brasil Escola. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/gramatica/por-que.htm. Acesso em 07 de abril de 2019.
  •  “Emprego dos porquês” em Só Português. Virtuous Tecnologia da Informação, 2007-2021. Consultado em 07/04/2019 às 20:49. Disponível na Internet em https://www.soportugues.com.br/secoes/fono/fono26.php.
  • CATARINO, Dílson. Dicas de português: usos do porquê. Usos do porquê. [20–]. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/folha/fovest/usodoporque.shtml. Acesso em: 07 abr. 2019.

Imagem destacada: Youtube.

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.