Teoria malthusiana: o que ela diz e seu contexto de criação

A teoria malthusiana defendia que a população iria crescer em ritmo acelerado, superando a oferta de alimentos.

A teoria malthusiana foi uma teoria criada por Thomas Robert Malthus, em 1798. Em resumo, ela defendia que a população iria crescer em ritmo acelerado, acima da oferta de alimentos.

Também conhecida como Malthusianismo, essa teoria apresenta uma relação entre o crescimento da população com a produção de alimentos. Sendo que, de acordo com Malthus, elas ocorrem em ritmos diferentes.

Isso porque, de acordo com essa teoria, a população cresceria em uma taxa de progressão geométrica (2; 4; 8; 16; 32; 64…). Ou seja, a população iria dobrar a cada 25 anos.

Por outro lado, a oferta de alimento cresceria de forma mais lenta. Ela seria em uma progressão aritmética (2; 4; 6; 8; 10; 12…).

Portanto, o crescimento no número de pessoas iria superar a oferta de alimentos. Isso iria causar muitos problemas com fome e miséria.

Contexto histórico da teoria malthusiana

Com a Revolução Industrial no século XVIII, o mundo passou por grandes mudanças. Uma delas, foi o crescimento da população de forma acelerada.

Além disso, o cenário industrial causou o aumento no ritmo de produção e modernizou as práticas agropecuárias.

Houve ainda uma mudança nas relações de trabalho. Sendo que muitas pessoas saíram do meio rural em busca de ofertas de emprego nas cidades. Dessa forma, houve o início do processo de urbanização.

A tecnologia também afetou a medicina. Sendo assim, ela possibilitou um maior acesso a vacinas e medicamentos por parte das pessoas.

Sendo assim, houve o aumento da expectativa de vida e a redução das taxas de mortalidade infantil.

Para você ter uma ideia, a Grã-Bretanha, que foi precursora da Revolução, tinha uma população de pouco mais de 5 milhões de pessoas por volta de 1750.

No entanto, meio século depois, esse número já passava dos 20 milhões. Nessa época, várias teorias surgiram ao tentar explicar o rápido crescimento da população.

Quais são as suas características?

A teoria malthusiana defende que o crescimento da população seria maior do que a oferta de alimentos. Desse modo, isso causaria problemas com fome e miséria.

Em resumo, isso tinha como base a ideia de que o crescimento da população é infinito. Por outro lado, a oferta de alimentos teria limites.

Portanto, uma das grandes características do malthusianismo, é o pessimismo. Isso em relação ao crescimento populacional mundial e os efeitos que isso teria na oferta de alimento em larga escala.

Sendo assim, se a teoria se realizasse, haveria um agravamento de situações extremas. Ou seja, isso traria novas doenças, conflitos, guerras e etc.

Por que a teoria malthusiana foi tida como incorreta?

A teoria foi tida como incorreta porque não se concretizou.

Na criação dessa teoria, Thomas Robert Malthus levou em conta dois cenários: o da Grã-Bretanha e o dos EUA.

Sendo que a Grã-Bretanha estava no início da Revolução Industrial. Já os EUA, na época, tinha a maior parte da população vivendo em áreas rurais.

Desse modo, as dinâmicas populacionais levadas em conta por Malthus estavam restritas temporal e espacialmente.

Sendo assim, ele não levou em conta, por exemplo, os impactos do progresso científico e tecnológico trazidos pela Revolução na produção de alimentos.

Sendo que, com a Revolução, foram criadas novas técnicas de cultivo e meios de se incrementar a produtividade da terra.

Portanto, a atual pobreza e fome no mundo não são resultados do crescimento da população. Na verdade, elas são causadas por aspectos atrelados ao sistema econômico e à má distribuição de renda.

Críticas

A Teoria Malthusiana foi muito criticada por ser tida como pessimista e cruel. Afinal de contas, de acordo com essa teoria, a humanidade estava fadada à fome e à miséria.

Além disso, Malthus acreditava que era preciso acabar com os programas de assistencialismo.

Isso porque, para Malthus, esses programas apenas amenizariam os problemas enfrentados pelas camadas mais pobres e estimularia o aumento da natalidade.

Por fim, Malthus defendia ainda que a reprodução das camadas da população mais carentes fosse controlada. Isso por meio de abstinência sexual e casamentos tardios.

Teoria malthusiana x neomalthusiana

Como você já sabe, a teoria malthusiana defendia que a população iria crescer em ritmo acelerado, superando a oferta de alimentos.

Por outro lado, a teoria neomalthusiana defendia que o crescimento contínuo da população resultaria no esgotamento dos recursos naturais do planeta.

Além disso, essa teoria apontava que o crescimento do número de pessoas seria a causa do menor nível de desenvolvimento socioeconômico dos países.

Por fim, vale destacar que a criação da teoria neomalthusiana ocorreu cerca de dois séculos depois da teoria de Thomas Malthus. Isto é, depois do final da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Teoria reformista

A teoria reformista é uma dentre as muitas teorias criadas a partir da metade do séc. XX. Sendo que ela nasceu como um contraponto à teoria neomalthusiana.

Em resumo, para essa teoria, o crescimento da população não é a causa da pobreza. Ao invés disso, ela seria apenas o resultado.

Portanto, para resolver isso, basta que haja grandes investimentos para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Principalmente em áreas como, por exemplo, saúde e educação.

Com isso, as taxas de crescimento da população seriam controladas.

LEIA MAIS

Estado multiétnico, aprenda o que é

Darwinismo social

Identidade cultural: concepções e conceitos

O que é Antropologia? História e método

Significado de Comunidade: o que é e conceito

Segregação socioespacial: o que é e causas

Fontes: Toda matéria; Brasil escola; e, por fim; Mundo educação.

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.