Tupac Amaru – Quem foi, conquista espanhola e movimento revolucionário

Tupac Amaru foi um revolucionário peruano cuja trajetória interferiu diretamente no processo de independência da América espanhola.

Tupac Amaru II foi uns dos maiores líderes incas, responsável por organizar uma rebelião contra o extermínio indígena no século XVIII. O peruano também possibilitou a independência da America Espanhola, pois seu principal objetivo era defender a condição de herdeiro da civilização inca.

Antes de tudo, Tupac ganhou tais dimensões graças as suas influencias tanto com o povo indígena, quanto com os Espanhóis. Devido a isso recebeu o título de Marquês de Oropesa. Não se engane por meio de conceitos pré estabelecidos. O nativo foi dono de terras e criações, o que o tornou um homem bastante rico.

Conquista espanhola

Tupac Amaru - Quem foi ele

A América, a princípio, recebeu em suas terras no ano de 1492 colonizadores Espanhóis com o intuito de descobrir grandes riquezas. Francisco Pizarro, desembarcando no ano de 1527 no Peru, terra de Tupac Amaru, decidiu mandar o exército para eliminar qualquer barreira contra sua estadia.

Os interesses espanhóis giravam, portanto, ao redor das minas de prata existentes na região. Consequentemente, o líder estrangeiro se viu diante dos povos indígenas incas, que habitavam desde as cordilheiras até os altiplanos bolivianos.

Foram muitas mortes, sobretudo dos indígenas, durante a colonização de Pizarro. Sua vantagem se tratava das armas de fogo e toda tecnologia de guerra daquele período. Em contrapartida, os nativos lutaram apenas com lanças de pontas de aço. O instrumento dos indígenas não os possibilitaram vencer o conflito e defender suas terras.

Tupac Amaru é um nome dado a figura que assume o papel de Imperador do povo inca. O primeiro da linhagem foi dizimado pelos espanhóis, junto com os seus descendentes. A morte do líder foi um símbolo de dominação para os povos do Peru e, sobretudo, o fim de vários dos verdadeiros donos da terra.

Quem foi Tupac Amaru

Tupac Amaru - Quem foi ele

Após o domínio Espanhol, a relação entre colonizadores e líderes dos povos indígenas se estabeleceram de acordo com as necessidades dos invasores. Estes líderes chamados de curacas davam as riquezas para a espanhóis e, em troca, por fim, ganhava parte dos impostos.

Além desse pequeno agrado, na relação entre colonizador e colonizado, outra forma de agradar os indígenas era aliviando-os dos trabalhos forçados. Isso, claro, se cooperassem. Contudo, após mais de 200 anos, surgiu na região um líder indígena chamado José Gabriel Condorcanqui, o mais novo Tupac Amaru II.

Este líder inca afirmou ser um dos descendentes do antigo Imperador e começou a travar revoltas contra as medidas metropolitanas. Gabriel Condorcanqui estudou na Universidade de São Marcos (Lima, Peru) e acabou descobrindo, sobretudo, a sua história por meio de livros que documentavam a existência dos Tupac Amarus.

Após seu retorno as suas origens preparou um movimento emancipacionista, em 1780, com o apoio da elite criolla. Sua primeira ação contra os espanhóis foi a derrubada de um dos chefes que administravam a colônia, seguida de execução.

Invasão

Tupac Amaru - Quem foi ele

Com a crescente fama de Tupac Amaru II, o vice-rei se sentiu ameaçado e logo se dirigiu a Espanha pedindo reforços. Os planos de Tupac, a princípio, consistia na invasão de Cusco para tomar Puno região entre Cusco e Potosí. Seus planos giravam ao redor dos interesse na elite criolla.

O pedido de reforços do vice-rei estavam ameaçando o final da conquista do movimento. Se, por alguma razão, as tropas de Carlos III chegassem ao Peru, o fracasso seria certeiro.

Não foi somente a coroa espanhola que se posicionou contra a invasão dos rebeldes. Sobretudo a igreja assumiu papel importante nessa luta, apoiando a realeza. Os religiosos contribuíram com a montagem de estratégias. A cidade de Cosco era praticamente uma grande fortaleza, ajudando e muito o combate.

Tupac chegou com mais 40 mil homens pronto para a luta. Mas, os espanhóis conseguiram segurar os ataque e acabaram recebendo a ajudar de mais 8 mil homens.

A derrota

Tupac Amaru - Quem foi ele

Por fim, cansados da luta, os espanhóis resolveram dar o ultimato nos rebeldes. Para finalizar, reuniu mais de 12 mil soldados para combate-los. Antes de seguir com o ataque, se dirigiu, sobretudo, aos homens que seguiam o líder inca e propôs perdão a quem o abandonasse.

Após a proposta, atacaram, alguns fugiram para locais próximos, porque não tinham mais como sustentar a guerra. Tupac e  outros fiéis colaboradores foram presos em emboscada. O interessante é a proposta do rei surtiu tanto efeito nos homens de Tupac que os mesmo foram responsáveis por criar a armadilha.

Como forma de disciplina e exemplo, por fim, os Espanhóis enforcaram 70 curacas, o inca teve sua família levada a Cosco e torturada, dando fim a revolta tupamarista.

Leia mais sobre os Maias, astecas, incas e a história da América pré-colombiana

Fonte: História do mundo, Aventuras na história, Toda matéria. Fflch, Mundo e Educação,

Fonte: Ensinar hiatória, History, Toda estudo.

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.