Biologia

Mutualismo, o que é? Definição, características, diferenças e exemplos

Mutualismo é uma relação ecológica harmônica interespecífica (espécies diferentes) que pode ser obrigatório ou facultativo.

Continue lendo após a publicidade

Antes de mais nada, no ecossistema tudo está relacionado, seja de forma indireta ou indireta. Existem relações entre indivíduos da mesma espécie, o que é chamado de intraespecíficas, e entre espécies diferentes, chamado de interespecíficas. Sendo assim, mutualismo é uma relação ecológica harmônica interespecífica.

A interação pode ser desarmônica, ou seja, aquela que é prejudicial para, pelo menos, um dos indivíduos envolvidos. Além disso, também pode ser harmônica, o que significa que nenhum dos indivíduos sai prejudicado. Neste caso, o mutualismo é considerado harmônico.

De forma geral, o mutualismo é classificado de duas formas, sendo: obrigatório e facultativo. Porém, além da classificação básica, o mutualismo também é dividido em: defensivo, trófico e dispersivo.

Mas afinal, quais são as características desse tipo de associação entre dois seres vivos? Vamos descobrir!

Continue lendo após a publicidade

Definição de mutualismo

De forma geral, o mutualismo é classificado como uma relação ecológica que ocorre entre indivíduos de espécies diferentes. No momento da relação, ambas as espécies são beneficiadas.

Quando a relação ecológica ocorre entre indivíduos de espécies diferentes, o processo é denominado de relação interespecífica.

Mutualismo, o que é? Conceito, diferenças e exemplos
Blog STIHL

Além disso, alguns autores utilizam o termo protocooperação para se referir ao mutualismo.

Isso porque, o protocooperação também está relacionado à relação ecológica que ocorre entre espécies diferentes, onde ambas são beneficiadas. Entretanto, a relação não é obrigatória para que as espécies sobrevivam.

Continue lendo após a publicidade

Neste caso, alguns pesquisadores preferem utilizar o termo mutualismo facultativo para se referir à protocooperação. Sendo assim, são dois termos que se relacionam e dizem sobre a mesma relação ecológica.

Mutualismo obrigatório

O mutualismo obrigatório, que também pode ser chamado de simbiose, é quando as duas espécies da relação necessitam uma da outra. Em suma, é muito importante a existência do outro organismo para a sua sobrevivência.

Sendo assim, alguns exemplos de mutualismo obrigatório são:

Micorriza e Raízes

Micorrizas são fungos que se associam com as raízes de algumas plantas. As hifas do fungo ajudam na absorção de mineiras e oferecem água para a planta. Além disso, como é uma relação benéfica, o fungo garante os seus nutrientes.

Continue lendo após a publicidade
Mutualismo, o que é? Conceito, diferenças e exemplos
Mutualismo obrigatório

Líquens

É uma associação entre fungos e micro-organismos fotossintetizantes, como as algas, que se tornam um único organismo. Na relação, a alga oferece compostos orgânicos e faz a fotossíntese, o que é essencial para a sobrevivência de ambos.

Por outro lado, o fungo, é responsável pelos nutrientes, já a água, além de contribuir para que a alga continue úmida, fornece benefícios aos fungos.

liquens
Líquens, relação harmônica.

Peixe Palhaço e Anêmonas

Neste de relação ecológica, as anêmonas oferecem proteção e abrigo. Já o peixe ajuda na limpeza e deixa os tentáculos delas mais aerado. Assim, como consequência, é mais fácil para as anêmonas capturarem as presas.

Peixe palhaço e anêmonas
Mutualismo – Peixe palhaço e anêmonas

Mutualismo facultativo

Do mesmo modo que existem organismos que dependem um do outro para sobreviver, existem os que não são dependentes um do outro, mas se ajudam.

Continue lendo após a publicidade

Essa relação é chamada de mutualismo facultativo. Ela, que anteriormente era conhecida como protocooperação, apesar de ser benéfica, não obriga que as duas espécies envolvidas estejam juntas.

Exemplos:

Caranguejo-eremita e Anêmonas-do-mar

Os caranguejos, em busca de segurança, se abrigam em conchas abandonadas. Com isso, as anêmonas os protegem dos predadores.

Do mesmo modo, o caranguejo proporciona transporte, através de sua mobilidade, além de resto de alimentos para as anêmonas. Em suma, a relação é boa, mas não é essencial para a sobrevivência dos mesmos.

Continue lendo após a publicidade
Mutualismo, o que é? Conceito, diferenças e exemplos
Caranguejo dentro da concha, local em que estão fixadas as anêmonas

Crocodilo e Pássaro-palito

Assim também ocorre com o crocodilo e o pássaro-palito. O pássaro se alimenta dos restos de comida que ficam na boca do crocodilo. Dessa forma, o beneficio é mútuo, pois o crocodilo se livra dos parasitas e, ao mesmo tempo, fornece alimento para o pássaro.

vantagem mútua
Pássaro-Palito se alimentando dentro da boca do crocodilo

Curiosidades do mutualismo

Em síntese, o mutualismo pode ser classificado de outras formas também. Entretanto, elas são menos conhecidas. Para concluir, veja um breve resumo delas.

Mutualismo defensivo: Um dos organismos é o protetor e o outro o protetivo. Geralmente, o que recebe proteção é o mesmo que fornece o alimento;

Mutualismo Trófico: Os nutrientes são fornecidos por ambos os envolvidos;

Continue lendo após a publicidade

Mutualismo dispersivo: A relação é entre plantas e animais. Em suma, as plantas geram alimentos e os animais ajudam no transporte de sementes.

Relação harmônica
Fonte: Lifeder

Gostou do assunto? Então, vem ler Heterótrofos, o que são? Definição, características e seres autótrofos 

Fontes: InfoEscola, BiologiaNet, Brasil Escola e Prepara Enem

Imagens: Estudo Prático, Cantinho da Biologia, Blog STIHL, Mente Biológica, BiologiaNet, Biologia Top, Quero Bolsa, Super Interessante e Lifeder

Continue lendo após a publicidade
Próxima página »

Comentários

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments