Vanguardas Europeias – Contexto histórico, correntes e inovações

O século XX foi marcado pelas Vanguardas Europeias, manifestações artísticas que revolucionaram a arte e cultura no mundo.

Derivada do termo francês “avant-garde”, que significa “guarda avançada”, a palavra vanguarda é uma referência ao nome dado às tropas militares que vão à frente de um exército. Logo, vanguardistas são aqueles que chegam primeiro. E as Vanguardas Europeias representam, acima de tudo, a inovação.

O século XX foi marcado por diversos eventos significativos para a história do mundo. Após a Revolução Industrial no período anterior, a época em questão trouxe consigo diversas transformações socioculturais.

Embora os avanços tecnológicos e científicos tenham aberto portas para um novo mundo, também resultaram em guerras.

Sendo assim, como resposta à Primeira Guerra Mundial, surgiram movimentos artísticos que buscavam romper com a tradição e criticar o comportamento social.

Dessa forma, Expressionismo, Fauvismo, Cubismo, Futurismo, Dadaísmo e Surrealismo passaram a ser reconhecidas como as Vanguardas Europeias.

Contexto histórico das Vanguardas Europeias

Assim como mencionado acima, o século XX foi caracterizado pelo crescimento das cidades e avanços científicos.

A Segunda Revolução Industrial acelerou o ritmo de vida social e possibilitou que nomes como Albert Einstein e Sigmund Freud revolucionassem o mundo com a Teoria da Relatividade e a Psicanálise, respectivamente.

Zona de combate na Primeira Guerra Mundial

No entanto, não foi apenas a ciência que ascendeu com essa nova era. A mentalidade social se transformou, bem como sua percepção do mundo, e isso pôde ser percebido nas diversas manifestações artísticas que marcaram o período.

A palavra da vez era “inovar” e assim a arte moderna mundial foi reformulada. O século XX foi palco de uma manifestação ocidental que buscou questionar o clássico, ressignificar a reflexão sobre a vida e compreender antes de todo mundo aquilo que hoje consideramos senso comum.

As Vanguardas Europeias

Apesar de terem nascido em um mesmo contexto e visarem objetivos em comum, cada uma das Vanguardas Europeias conta com especificidades e surgiu de forma livre das demais.

Logo podem ser encontrados maiores detalhes sobre cada um desses movimentos inovadores.

Expressionismo

O Grito (1893) de Edvard Munch

Os expressionistas foram artistas que se reuniram com o objetivo de criar tendo como prioridade a expressão dos sentimentos e emoções. Considerando o contexto hostil da Primeira Guerra Mundial, esse estilo enfatizou os problemas da sociedade e do indivíduo.

O Expressionismo é descrito como subjetivo, irracional, pessimista e trágico. Além disso, esse estilo surgiu como uma resposta ao Impressionismo.

Fauvismo

Vanguardas Europeias - contexto histórico, correntes e inovações
A dança (1910) de Matisse

Bem menos popular que os demais integrantes das Vanguardas Europeias, o Fauvismo foi um estilo de pintura baseado na intensidade das cores, simplificação das formas e falta de compromisso com as verossimilhança.

Cubismo

Vanguardas Europeias - contexto histórico, correntes e inovações
Guernica (1937) de Pablo Picasso

Assim como o Fauvismo, o Cubismo revolucionou o modo de perceber as formas. Um movimento artístico pautado na geometrização visual, o Cubismo se dividiu em duas vertentes: o Cubismo Analítico e o Cubismo Sintético.

Nesse sentido, enquanto a primeira tornava as formas irreconhecíveis, a segunda retomou uma representação figurativa.

Futurismo

Vanguardas Europeias - contexto histórico, correntes e inovações
Velocidade do Automóvel (1913) de Giacomo Balla

Basicamente, a principal característica desse movimento, dentro das Vanguardas Europeias, é a exaltação da tecnologia, das máquinas, da velocidade e do progresso. Todavia, os futuristas eram grandes defensores do patriotismo, e muitos de seus adeptos apoiaram declaradamente o fascismo italiano de Benito Mussolini.

Dadaísmo

A Fonte (1917) de Marcel Duchamp

Impactados pelo terror da Primeira Guerra Mundial, os dadaístas passaram a desprezar a cultura tradicional e adotaram o lema “a destruição também é criação”.

Dessa maneira, além de inovador, o dadaísmo era completamente ilógico. Suas principais características são a liberdade, o absurdo e a irracionalidade. Aliás, o Dadaísmo propõe uma “antiarte”.

Surrealismo

Vanguardas Europeias - contexto histórico, correntes e inovações
A Persistência da Memória (1931) de Salvador Dalí

Em um período marcado pela apresentação da Psicanálise ao mundo, o Surrealismo é a corrente artística que mais abraça o inconsciente apresentado por Freud. Portanto, esse movimento é majoritariamente caracterizado, dentro das Vanguardas Europeias, pela arte impulsiva, fantástica e onírica.

As Vanguardas Europeias no Brasil

Operários (1933) de Tarsila do Amaral

No Brasil, as Vanguardas Europeias não chegaram de forma fragmentada. Na verdade, todas as inovadoras tendências trazidas de outro continente resultaram no Modernismo. Esse foi o marco da ruptura da literatura com o passado e retomada das características nacionalistas.

Então, o que achou da matéria sobre as Vanguardas Europeias? Se gostou, confira também: Características do Modernismo – Origem, elementos e fases no Brasil.

Fontes: Toda Matéria, Mundo Educação, Brasil Escola, Cultura Genial.

Imagens: Toda Matéria, Obvious Louge, Artrianon, Cavok.

Escolhidas para você

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.