História

Zoroastrismo, o que é? Origens, princípios, história e crenças

O zoroastrismo é uma religião persa que leva o nome de seu fundador e profeta, Zaratustra (ou Zoroastro para os gregos).

Continue lendo após a publicidade

O zoroastrismo é uma religião persa que leva o nome de seu fundador e profeta, Zaratustra (ou Zoroastro para os gregos).

O profeta nasceu na Ásia Central, em um território que corresponde atualmente ao leste do Irã e à região ocidental do Afeganistão. Ele viveu por volta do século X a.C., ou mesmo depois, entre os séculos VII e VI a.C., não havendo consenso entre os historiadores.

Seus discípulos são chamados de Zoroastrianos, que creem que Zoroastro é um profeta de Deus, mas não é alvo de particular veneração.

Analogamente, o zoroastrismo também é comumente referido como Mazdeísmo, em honra à sua divindade principal, Ahura Mazda.

Continue lendo após a publicidade

Princípios do Zoroastrismo

Ao estabelecer as bases desta crença, Zaratustra buscou centrar a religião mazdiana no deus Ahura Mazda, rodeado por um certo número de entidades.

Zoroastrismo; origens, princípios, história e crenças
Fonte: Teólogo Leo Mariano

Em suma, Ahura Mazda é o criador do céu e da terra. Todo ser humano é dotado de uma alma eterna e de livre arbítrio. Ademais, após a morte, as almas incorrem em julgamento e vão para o céu ou para o purgatório.

Os textos religiosos do Zoroastrismo estão contidos no Avesta, que tem duas partes: os Gathas, poemas atribuídos ao próprio Zoroastro, e o Yasna, que constituem os textos litúrgicos.

Auge e declínio

O zoroastrismo foi a religião oficial do Império Persa em três ocasiões:

Continue lendo após a publicidade
  1. O rei Histaspes, no século VI a.C.;
  2. Sob o Império Aquemênida, entre 550 a.C. e 330 a.C.
  3. Sob o Império Sassânida, entre 224 e 651 d.C.

Com a chegada do Islã e as perseguições que se seguiram, aqueles que se recusaram a se converter refugiaram-se em Gujarat, na Índia, onde formaram a comunidade Parsi.

Além disso, os elementos de culto religião permaneceram preservados na herança cultural do Irã e do Afeganistão, nações da Ásia Central, onde Zaratustra nasceu.

Simbologia e etimologia 

Os zoroastristas honram o fogo como um símbolo do divino e o mantêm em abundância em seus templos. Além disso, o profeta Zoroastro pregava uma religião dualista, que se baseia na luta entre o Bem e o Mal, a Luz e as Trevas.

Zoroastrismo; origens, princípios, história e crenças
Sacerdotes do zoroastrismo. Fonte: Enciclopedia Global

O princípio de Zoroastro é que existe um espírito santo (Spenta Mainyu), filho de Ahura Mazda, e um espírito maligno (Angra Mainyu), seu gêmeo. Ambos são opostos porque representam o dia e a noite, a vida e a morte.

Continue lendo após a publicidade

Esses dois espíritos coexistem em cada um dos seres vivos. No entanto, apenas Ahura Mazda retém a preeminência celestial e triunfará sobre o mal no final.

Além disso, o nome “Zoroastrismo” vem da palavra ‘Zoroastro’ ou ‘Zaratustra’ (em persa زرتشت, Zaraϑuštra em avéstico, Ζωροάστρης no grego antigo), que significa “profeta”.

Textos do Zoroastrismo

A princípio, a doutrina de Zoroastro era transmitida oralmente. Todos os textos sagrados que constituem o Avesta (livro sagrado da religião) foram escritos após a adoção do persa no império de mesmo nome.

No entanto, apenas um quarto do texto original perdurou até os dias atuais. Isso porque os manuscritos foram perdidos ou destruídos durante a invasão de Alexandre, o Grande e uma segunda vez durante a invasão árabe à Pérsia, no século VII.

Continue lendo após a publicidade

Apesar de tudo, o equivalente a mil páginas sobreviveram até a contemporaneidade.

Inclui-se aqui 17 cânticos que compõem o Gathas ou “hinos sagrados” atribuídos ao próprio Zoroastro e atestam sua personalidade. Eles são escritos numa antiga linguagem da Ásia Central, de difícil interpretação.

Pilares do zoroastrismo

Zoroastro, o profeta de Ahura-Mazda, criou o livro sagrado Avesta a partir de uma revelação divina recheada de conflitos e uma dualidade universal.

Zoroastrismo; origens, princípios, história e crenças
Fonte: Georgia Encyclopedia

Mesmo tendo recebido a revelação, ele nunca afirmou ser um profeta. Em suma, os zoroastristas consideram que seu deus não necessita de adoração nem de intermediários.

Continue lendo após a publicidade

Seu ensino é baseado na oposição entre o deus do Bem, Ahura-Mazda, e o deus do Mal, Ahriman. O homem, pela pureza de sua vida, seus pensamentos, suas palavras e ações, deve se afastar dos poderes do mal e assim merecer a felicidade após a morte.

Doutrina

Em síntese, na doutrina de Zoroastro, cada pessoa é responsável por suas ações em virtude da natureza de seu ” Fravahr”, o equivalente ao karma hindu. A doutrina se resume em uma máxima: Humata, Hukhta, Huvarshta (“bom pensamento, boa palavra, boa ação”).

Em vez de exaltar o sentimento de culpa, martírio e ascetismo, recomenda-se trabalhar muito, ganhar dinheiro, aproveitar a vida e doar com generosidade.

Daena

O daena designa “a soma dos atributos e da individualidade de um ser humano, sua visão, seu eu interior, sua consciência e religião.

Continue lendo após a publicidade

Os escritos avestanos, como o ‘Vendidade’ , retratam Daena como uma divindade feminina que conduz almas boas e puras para o paraíso, enquanto os ímpios são arrastados para a Casa das Mentiras, um lugar de punição.

Tradição do culto ao fogo

Zoroastro condenou os ritos e sacrifícios tradicionais oferecidos aos deuses pelos persas, mas manteve a tradição do culto ao fogo.

Fonte: Socialista Morena

Para ele, toda a evolução do mundo se baseia na “ação” e na “reação”, portanto, a resposta a qualquer atitude de caridade parece-lhe a “boa ação”.

Se na sociedade as pessoas se entregarem ao bem, só colherão o bem e se se entregarem à maldade, serão invadidas pelo mal.

Continue lendo após a publicidade

Vida após a morte

Em resumo, os zoroastristas admitem uma vida após a morte e um julgamento de almas; cada ser humano é julgado por seus méritos.

O ‘fravahr’ é um dos símbolos da doutrina de Zoroastro: é o espírito do homem preexistente em seu nascimento e que perdurará após sua morte, sendo insubstituível.

Se as boas ações superam as más, a alma vai para a ‘Casa dos Cânticos’ por uma ponte além da qual o Senhor da Luz o aguarda.

Caso contrário, viajará até o inferno, cuja estadia é limitada. No final, todos os seres “punidos” irão para o céu.

Continue lendo após a publicidade

Demografia do Zoroastrismo

Hoje, o Zoroastrismo é uma religião ainda existente, mas em declínio: a maioria de seus praticantes têm sido convertidos à força ao Islã em países de ampla maioria muçulmana.

Estima-se que haja cerca de 200 mil seguidores atualmente, distribuídos principalmente entre a Índia, Irã e Curdistão.

Fonte: The New York Times

Também há diásporas estabelecidas nos Estados Unidos, Grã-Bretanha, Canadá e Austrália.

Zoroastrismo e sociedade

Na doutrina de Zoroastro, todos devem responder por suas ações com bom pensamento, e o bom pensamento está diretamente ligado à cultura.

Continue lendo após a publicidade

Os seguidores desta doutrina não devem, portanto, implementar nenhuma palavra de Zoroastro que não corresponda à ciência.

Por fim, os preceitos de Zoroastro sobre a moralidade coletiva e os laços que unem os homens ainda são relevantes hoje. Por exemplo:

  1. A igualdade entre homens e mulheres foi repetidamente enfatizada nos Gathas e alcançada na história da antiga Pérsia pela chegada ao poder de mulheres como Pourandokht;
  2. Mulheres padres foram recentemente ordenadas no Irã;
  3. Preservar a pureza da água, terra, ar e fogo é outro preceito dos seguidores desta religião;
  4. A escravidão e a submissão do ser humano são totalmente rejeitadas na doutrina de Zoroastro;
  5. Essa doutrina enfatiza a importância da colheita e rejeita qualquer ideia de preguiça, de viver do anzol de outros, de roubar a propriedade de outros;
  6. Todos devem viver de seus esforços e ser capazes de se beneficiar de sua própria colheita;
  7. Idolatria e adoração a objetos são proibidos na mente de Zoroastro;
  8. A casa de Deus não é aquela construída pelo homem, mas seu coração e mente, o que lembra a ideia cristã do corpo como um templo do espírito;
  9. Ademais, nenhuma opressão pode ser admitida contra os homens e, se necessário, deve-se levantar-se para eliminá-la;
  10. Por fim, nenhum dano deve ser cometido contra os animais e seu sacrifício deve ser considerado um crime humano contra eles.

Gostou deste artigo? Leia também sobre os persas e sua antiga (e poderosa) civilização.

Fontes: Brasil Escola, Toda Matéria, Educamais Brasil, Info Escola, Britannica

Continue lendo após a publicidade

Imagens: Teólogo Leo Mariano, Enciclopedia Global, Socialista Morena, Georgia Encyclopedia, The New York Times

Próxima página »

Comentários

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments